-- ------ Algarve Cup 2017 - BomFutebol.pt
Bom Futebol

Algarve Cup 2017

Esta será a mais importante Algarve Cup para Portugal desde a sua concepção e arranque, em 1994, pois esta será a grande preparação lusa para a estreia da selecção feminina sénior numa fase final de uma grande competição, o Europeu de 2017.

Foram as federações nórdicas, muito à frente no que toca ao desporto feminino, que se organizaram para ter o Algarve como palco de eleição para um torneio invernal, uma prova que se transformou num dos mais prestigiados e conceituados torneios de futebol feminino no mundo, durante anos a terceira competição do futebol feminino, apenas batida pelo Mundial e os Jogos Olímpicos, agora também já atrás do Europeu, que cresceu enormemente, mas ainda a principal prova anual do calendário do futebol feminino de selecções, apesar da concorrência da Cyprus Cup.

A estreia na Florida da SheBelieves Cup em 2016 revela-se um desafio para a Algarve Cup, mas o facto de a organização permanecer sob égide conjunta de Noruega, Suécia, Dinamarca e Portugal permite uma concorrência, agora tripartida.

O Grupo C surge em 2002, passando o torneio a albergar 12 selecções e a abrir também maior espaço competitivo e de crescimento à selecção principal portuguesa.

As norte-americanas são as grandes dominadoras da competição, dez vezes campeãs, bem à frente de Noruega (4), Alemanha e Suécia (3), China (2) e o estreante Canadá, vencedor do ano passado, uma habitual selecção de Chipre que mudou de ares com todo o sucesso. A ausência de várias das melhores selecções em 2016, que teve o torneio de menor qualidade, deveu-se a opções diversificadas devido aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. A Dinamarca tem cinco finais perdidas – ou 2.º lugar final, também já finalistas sem ganharem foram Japão (2), Islândia (2011), França (2015) e Brasil (2016).

O ano de 2017 tem nova estreia absoluta, a 35.ª selecção feminina distinta a marcar presença na Algarve Cup, a nossa ‘vizinha’ Espanha.

Ao contrário de outras edições, em 2017 Chipre e Algarve terão os encontros no mesmo dia, habitualmente havia um dia de diferença entre ambos, correndo os dois torneios de 1 de Março a 8 do mesmo mês.

Apesar de Alemanha e EUA não estarem, jogam, a par de Inglaterra e França, a SheBelieves Cup, o torneio continua forte, são quatro selecções do top10, 10 do top20, onde apenas a Rússia, que caiu no ranking, e Portugal não figuram.

O Grupo A terá Dinamarca, totalista, Canadá (2.ª presença), Rússia (4.ª presença) e Portugal (totalista); no B estarão Noruega (apenas falhou o ano transacto), Japão (6.ª presença), Islândia (13.ª presença) e a debutante Espanha; finalmente no Grupo C marcam presença Suécia (apenas esteve ausente no ano passado), China (somente não veio em 94, 95 e no ano passado), Austrália (2.ª participação, de volta depois da estreia em 1999) e Holanda (4.ª participação, não entrava na Algarve Cup desde 1998).

Áustria, Bélgica, Chile, Inglaterra, Ilhas Faroe, Finlândia, Grécia, Hungria, República da Irlanda, Itália, México, Nova Zelândia, Coreia do Norte, Irlanda do Norte, Polónia, Roménia, Escócia, Suíça e País de Gales completam o lote de selecções que já participaram naquela que durante muitos anos foi conhecida como Mundialito de futebol feminino.

Parte das convocatórias para a prova já são do conhecimento público.

Dinamarca

Dinamarca Clube Pos Nasc Int
Line Geltzer Johansen Vejle BK GR 26-07-89 2
Naja Bahrenscheer BSF GR 03-09-96 1
Stina Lykke Petersen KoldingQ GR 09-02-86 60
Cecilie Sandvej Sand (Ale) DF 13-06-90 37
Janni Arnth Jensen Linkopings (Swe) DF 15-10-86 68
Line Roddik Hansen Barcelona (Esp) DF 31-01-88 120
Luna Gevitz Fortuna Hjorring DF 03-03-94 7
Maja Kildemoes Linkopings (Swe) DF 15-08-96 12
Mie Leth Jans Brondby DF 06-02-94 15
Simone Boye Sorensen Brondby DF 03-03-92 35
Theresa Nielsen Valerenga (Nor) DF 20-07-86 104
Frederikke Skjodt Thogersen Fortuna Hjorring MD 24-07-95 21
Katrine Veje Brondby MD 19-06-91 89
Line Sigvardsen Jensen Washington Spirit (EUA) MD 23-08-91 54
Nanna Christiansen Brondby MD 17-06-89 72
Sanne Troelsgaard KoldingQ MD 15-08-88 104
Sara Thrige KoldingQ MD 15-05-96 3
Sarah Dyrehauge Hansen Fortuna Hjorring MD 14-09-96 7
Sofie Junge Pedersen Rosengard (Swe) MD 24-04-92 41
Lise Overgaard Munk 1FFC Frankfurt (Ale) AV 26-05-89 37
Nicoline Sorensen Brondby AV 15-08-97 2
Pernille Harder Wolfsburgo (Ale) AV 15-11-92 80
Stine Larsen Brondby AV 24-01-96 16

Nils Nielsen

Se Pernilla Harder será, entre as convocadas, a mais considerada, a extrovertida e irreverente Theresa Nielsen merece igual realce. Foi ela que causou enorme rebuliço nas redes sociais quando há cerca de um ano partilhou uma foto de balneário do Brondby, em celebração de vitória, ousada, ela que foi a jogadora dinamarquesa do ano em 2014.

A capitã Harder é, contudo, a figura maior, eleita nos últimos anos (2015 e 2016) a futebolista dinamarquesa do ano e vital no clube e na selecção, que liderou à qualificação para o Europeu de 2017.

Japão

A sucessão de Norio Sasaki, o homem que guindou as ‘Nadeshiko’ para o topo do mundo, surpreendendo todo o universo do futebol feminino, seria sempre difícil, mas é a antiga internacional Asako Takamura, a primeira mulher seleccionadora nipónica, a assumir esse desafio de manter o nível de uma selecção também ela renovada, já sem Homare Sawa e que viaja para o Algarve também sem as históricas Aya Miyama, Shinobu Ohno, Yuki Ogimi e Kozue Ando. Takamura, além de marcado presença em grandes eventos com a selecção, enquanto futebolista, tem um lastro de sucesso a orientar as sub17 e sub20, guiando as sub17 ao título mundial de 2014 e as sub20, a mesma geração praticamente, ao pódio de 2016.

  Japão Clube Pos Nasc Int
1 Erina Yamane JEF United GR 20-12-90 21
2 Saori Ariyoshi NIPPON Tv Beleza DF 01-11-87 49
3 Aya Sameshima INAC Kobe Leonessa DF 16-06-87 72
4 Saki Kumagai Olympique Lyon (Fra) DF 17-10-90 81
5 Yuri Kawamura Albirex Niigata DF 17-05-89 29
6 Rumi Utsugi Seattle Reign (EUA) MD 05-12-88 90
7 Emi Nakajima INAC Kobe Leonessa MD 27-09-90 31
8 Sonoko Chiba AS Harima Albion MD 15-06-93 3
9 Yuika Sugasawa Urawa Red Diamonds AV 05-10-90 39
10 Mizuho Sakaguchi NIPPON Tv Beleza MD 15-10-87 103
11 Mana Iwabuchi Bayern Munique (Ale) AV 18-03-93 37
12 Ayaka Yamashita NIPPON Tv Beleza GR 29-09-95 6
13 Rika Masuya INAC Kobe Leonessa AV 14-09-95 13
14 Yu Nakasato NIPPON Tv Beleza MD 14-07-94 3
15 Hikari Takagi Nojima Stella Kanagawa S. DF 21-05-93 1
16 Mina Tanaka NIPPON Tv Beleza AV 28-04-94 6
17 Yui Hasegawa NIPPON Tv Beleza MD 29-01-97 0
18 Kaede Nakamura Albirex Niigata DF 03-08-91 0
19 Mayu Sasaki Vegalta Sendai MD 12-01-93 3
20 Kumi Yokoyama AC Nagano Parceiro AV 13-08-93 13
21 Hikaru Kitagawa Urawa Red Diamonds DF 10-05-97 0
22 Yuka Momiki NIPPON Tv Beleza AV 09-04-96 0
23 Chika Hirao Urawa Red Diamons GR 31-12-96 0

 

Asako Takamura

 

As ‘europeias’ Saki Kumagai, central do Olympique Lyon, e Mana Iwabuchi, avançada do Bayern Munique, são as referências, a par das consagradas Sakaguchi e Utsugi.

A referência futura será certamente Yui Hasegawa, que já brilhou bastante nas camadas jovens e promete dar bastante que falar no futebol.

Noruega

Uma das selecções dominadoras aquando do crescimento do futebol feminino nos anos 80 e 90, a Noruega foi perdendo dimensão, quer enquanto selecção, quer na sua própria liga, outrora importadora de talentos de outras paragens mas hoje mais exportadora de futebolistas, não deixando contudo de permanecer entre as boas selecções do futebol feminino. No Europeu estará num dos grupos mais equilibrados e imprevisíveis, com Dinamarca, Holanda e Bélgica.

 

  Noruega Clube Pos Nasc Int
1 Ingrid Hjelmseth Stabaek GR 10-04-80 108
2 Ingrid Moe Wold Lillestrom DF 29-01-90 32
3 Maria Thorisdottir Klepp IL DF 05-06-93 8
4 Stine Reinas Stabaek DF 15-07-94 2
5 Andrine Tomter Avaldsnes IL DF 05-02-95 13
6 Maren Mjelde Chelsea (Ing) DF 06-11-89 110
7 Guro Reiten Lillestrom MD 26-07-94 9
8 Andrine Hegerberg Birmingham (Ing) MD 06-06-93 19
9 Hege Hansen Klepp IL AV 24-10-90 12
10 Caroline Graham Hansen Wolfsburgo (Ale) MD 18-02-95 41
11 Nora Holstad Berge Bayern Munique (Ale) DF 26-03-87 64
12 Cecilie Fiskerstrand Lillestrom GR 20-03-96 11
13 Ingrid Schjelderup Eskilstuna United (Swe) MD 21-12-87 12
14 Ada Hegerberg Olympique Lyon (Fra) AV 10-07-95 57
15 Elise Thorsnes Avaldsnes IL AV 14-08-88 99
16 Kristine Minde Linkopings (Swe) MD 08-08-92 70
17 Vilde Boe Risa Arna-Bjornar MD 13-07-95 4
18 Ingvild Isaksen Stabaek MD 10-02-89 54
19 Ingrid Marie Spord Lillestrom MD 12-07-94 0
20 Lisa-Marie Karlseng Utland Roa IL AV 19-09-92 14
21 Anja Sonstevold Lillestrom DF 21-06-92 8
22 Kristine Nostmo Trondheims-Orn GR 08-06-93 0
23 Synne Jensen Stabaek AV 15-02-96 13
 

Martin Sjogren

 

Maren Mjelde é uma das figuras da selecção, neste momento a defender as cores do Chelsea. Irmã do também futebolista internacional norueguês Erik Mjelde, Maren é uma das várias futebolistas norueguesas com este género de relações. A jovem Maria Thorisdottir é filha do seleccionador norueguês de andebol, o islandês Thorir Hergeirsson, sendo exemplo dessas ligações desportivas que percorrem e transcorrem todo o desporto norueguês – e nórdico em geral.

As irmãs Hegerberg, Ada e Andrine, são outras duas estrelas do futebol actual na Noruega, a mais velha em Inglaterra, Ada a continuar a fazer sensação no futebol europeu, agora em Lyon.

A nova geração do futebol feminino norueguês promete voltar a colocar a selecção no cima, mesmo que já sem o histórico Pellerud no banco. Além das manas Hegerberg, a extraordinária Caroline Graham Hansen, Minde, Synne Jensen, Reinas e Thorsdottir lideram uma nova geração carregada de talento e ambição.

Islândia

Islândia Clube Pos Nasc Int
Gudbjorg Gunnarsdottir Djurgardens (Swe) GR 18-05-85 45
Sandra Sigurdardottir Valur Reykjavik GR 02-10-86 14
Sonny Lara Thrainsdottir Breidablik UBK GR 09-12-86 2
Arna Asgrimsdottir Valur Reykjavik DF 12-08-92 10
Sif Atladottir Kristianstad (Swe) DF 15-07-85 56
Thelma Bjork Einarsdottir Valur Reykjavik DF 11-07-90 10
Hallbera Gudny Gisladottir Djurgardens (Swe) DF 14-09-86 76
Anna Bjork Kristjansdottir LB07 (Swe) DF 14-10-89 27
Dora Maria Larusdottir Valur Reykjavik DF 24-07-85 113
Malfridur Erna Sigurdardottir Breidablik UBK DF 30-05-84 28
Elisa Vidarsdottir Valur Reykjavik DF 26-05-91 31
Glodis Perla Viggosdottir Eskilstuna United (Swe) DF 27-06-95 46
Katrin Asbjornsdottir Stjarnan MD 11-12-92 5
Dagny Brynjarsdottir Portland Thorns (EUA) MD 10-08-91 69
Fanndis Fridriksdottir Breidablik UBK MD 09-05-90 76
Sigridur Lara Gardarsdottir IBV MD 11-03-94 15
Sara Bjork Gunnarsdottir Wolfsburgo (Ale) MD 29-09-90 98
Elin Metta Jensen Valur Reykjavik MD 01-03-95 21
Sandra Jessen Thor/KA Akureyri MD 18-01-95 17
Gunnhildur Yrsa Jonsdottir Valerenga (Nor) MD 28-09-88 34
Rakel Honnudottir Breidablik UBK AV 30-12-88 75
Berglind Bjorg Thorvaldsdottir Fylkir AV 18-01-92 19
Margret Lara Vidarsdottir Valur Reykjavik AV 25-07-86 112

Freyr Alexandersson

 

Freyr Alexandersson também já deu a conhecer as convocadas pela Islândia. As mulheres do Árctico procuram alinhavar a participação no Europeu 2017, onde encaixaram no Grupo da favorita França e de Suíça e Áustria, aguardando-se uma apertada disputa pela 2.ª posição e acesso aos quartos-de-final.

Apesar da curteza populacional do arquipélago, a Islândia continua a ter selecções de nível no futebol, no andebol, a produzir talentos desportivos – e noutras áreas – que provam não ser a quantidade – em termos comparativos – tão relevante quanto se faz parecer por vezes, mais importante é a forma como a sociedade vive, coabita, trabalha e se desenvolve.

Apesar de a selecção ser bastante experimentada, continuam a chegar jovens talentos numa natural renovação. Uma das figuras, ainda bem jovem, é Dagny Brynjarsdottir, formanda do ‘college’ norte-americano e agora a alinhar na liga profissional dos EUA.

Outro nome grande é Sara Bjork Gunnarsdottir, uma das capitãs de equipa, que representou as suecas do Rosengard durante cinco anos até se mudar no ano passado para as alemãs do Wolfsburgo.

Espanha

Jorge Vilda é o orientador de uma Espanha trabalhada em torno das estrelas Veronica Boquete, Sonia Bermúdez, Vicky Losada, Amanda Sampedro e a excitante Alexia Putellas, apenas de 23 anos mas que parece já brilhar há uma eternidade. Do quase anonimato, a Espanha escalou patamares, ultrapassou a selecção portuguesa como um bólide de competição ultrapassa um veículo normal e já faz sombra às ‘grandes’ europeias. Não espantará se, no grupo do Europeu, com Portugal, Inglaterra e Escócia, as espanholas vencerem a chave, candidatas numa segunda linha ao pódio, apenas abaixo de Alemanha e França.

 

Espanha Clube Pos Nasc Int
Sandra Paños Barcelona GR 04-11-92 9
María Asunción Quiñones Real Sociedad GR 29-10-96 0
Esther Sullastres Valencia GR 20-03-93 0
Ivana Andrés Valencia DF 13-07-94 2
María Pilar León Atlético Madrid DF 13-07-95 1
Alexandra López Atlético Madrid DF 26-02-89 9
Leila Ouahabi Barcelona DF 22-03-93 8
Irene Paredes Paris-SG (Fra) DF 04-07-91 37
Andrea Pereira Atlético Madrid DF 19-09-93 4
Marta Torrejón Barcelona DF 27-02-90 65
Marta Corredera Atlético Madrid MD 08-08-91 39
Andrea Falcón Atlético Madrid MD 28-02-97 0
Patricia Guijarro Barcelona MD 17-05-98 0
Victoria Losada Barcelona MD 05-03-91 37
Silvia Meseguer Atlético Madrid MD 12-03-89 45
Alexia Putellas Barcelona MD 04-02-94 36
Amanda Sampedro Atlético Madrid MD 26-06-93 18
Virginia Torrecilla Montpellier (Fra) MD 04-09-94 28
Sonia Bermúdez Atlético Madrid AV 18-11-84 59
Verónica Boquete Paris-SG (Fra) AV 09-04-87 55
Mariona Caldentey Barcelona AV 19-03-96 0
Olga García Barcelona AV 01-06-92 8
Jennifer Hermoso Barcelona AV 09-05-90 38

Jorge Vilda

 

A convocatória apresenta um naipe amplo de jovens, percebendo-se que Vilda ainda está a avaliar possibilidades, sendo a guardiã do Valencia Esther Sullastres uma delas.

Sem Dolores Gallardo, Sandra Paños deverá partir como titular das redes.

 

Suécia

Alemanha, Rússia e Itália serão as três adversárias da Suécia na fase de grupos do Europeu de 2017 e a veterana Pia Sundhage está pressionada a uma boa prestação. A selecção sueca tem jogado pouquíssimo face ao valor individual e colectivo das suas jogadoras, mas os resultados aparecem, como se viu com a prata do Rio de Janeiro, ainda assim continua uma selecção pouco convincente e excessivamente resultadista. As saídas de Sjogren e Thunebro fragilizaram uma equipa demasiado agarrada ao passado e, em face desse, não realizando uma renovação mais natural e integradora das jovens promissoras do país, o que se nota agora.

  Suécia Clube Pos Nasc Int
1 Hedvig Lindahl Chelsea (Ing) GR 29-04-83 132
2 Jonna Andersson Linkopings DF 02-01-93 11
3 Linda Sembrant Montpellier (Fra) DF 15-05-87 78
4 Emma Berglund Rosengard DF 19-12-88 51
5 Nilla Fischer Wolfsburgo (Ale) DF 02-08-84 153
6 Magdalena Eriksson Linkopings DF 08-09-93 20
7 Lisa Dahlkvist KIF Orebro MD 06-02-87 122
8 Lotta Schelin Rosengard AV 27-02-84 173
9 Kosovare Asllani Manchester City (Ing) AV 29-07-89 94
10 Lina Hurtig Linkopings MD 05-09-95 3
11 Stina Blackstenius Montpellier (Fra) AV 05-02-96 15
12 Hilda Carlen Pitea GR 13-08-91 5
13 Elin Rubensson Kopparbergs/Goteborg MD 11-05-93 39
14 Hanna Folkesson Rosengard MD 15-06-88 28
15 Jessica Samuelsson Linkopings DF 30-01-92 42
16 Hanna Glas Eskilstuna United DF 17-09-92 2
17 Caroline Seger Olympique Lyon (Fra) MD 19-03-85 163
18 Fridolina Rolfo Bayern Munique (Ale) AV 24-11-93 15
19 Pauline Hammarlund Kopparbergs/Goteborg AV 07-05-94 12
20 Hanne Grahns KIF Orebro DF 29-08-92 1
21 Mimmi Larsson Eskilstuna United AV 09-04-94 2
22 Olivia Schough Eskilstuna United MD 11-03-91 48
23 Zecira Musovic Rosengard GR 26-05-96 2
 

Pia Sundhage

 

https://www.youtube.com/watch?v=gCsRos4Zp2A

Lotta Schelin regressou à Suécia depois de uma ‘vida’ no Olympique Lyon. Aos 33 anos, completados neste Fevereiro de 2017, continua a ser o nome maior da Suécia.

Kosovare Asllani é outra consagrada do país. Como o nome facilmente indica, Kosovare é filha de refugiados kosovares, uma entre centenas de milhares de suecos e suecas que provam a boa integração dos imigrantes na sociedade sueca.

Stina Blackstenius é um dos rostos da renovação e em quem muitos apostam como sucessora de Schelin no espaço de ‘estrela maior’ da constelação feminina sueca.

Elin Rubensson já chama a si o patronato do miolo ofensivo sueco.

Caroline Seger é uma das ‘instituições’ da equipa nacional sueca, a par de Nilla Fischer e Lotta Schelin, companheiras das grandes Thunebro e Sjogran, chegadas à selecção principal quando brilhava mais alto Hanna Ljungberg, tinha a equipa ainda Victoria Svensson e se despediam Kristin Bengtsson, Malin Andersson e Malin Mostrom.

Outro nome da renovação é Olivia Schough, uma das habituais soluções para o meio-campo.

Depois de rivalizar com os EUA, a Alemanha e as selecções nórdicas, a China ‘desapareceu’, mesmo no panorama asiático perdeu espaço para o Japão e a Coreia do Norte. A recente aposta no futebol por parte do ‘Partido’ também inclui o futebol feminino e para a selecção feminina foi chamado o gaulês Bruno Bini, o homem que evoluiu a selecção francesa até ao patamar em que se encontra.

Austrália

A Austrália continua a evoluir e as ‘Westfield Matildas’ já rivalizam com as principais selecções do continente asiático e do mundo.

Austrália Clube Pos Nasc Int
Lydia Williams Melbourne City GR 13-05-88 57
Mackenzie Arnold Brisbane Roar GR 25-02-94 11
Teigen Allen Melbourne City DF 12-02-94 39
Ellie Carpenter Western Sydney Wanderers DF 28-04-00 5
Steph Catley Melbourne City DF 26-01-94 53
Emma Checker Canberra United DF 11-03-96 3
Amy Harrison Sydney FC DF 21-04-96 3
Alanna Kennedy Sydney FC DF 21-01-95 48
Clare Polkinghorne Brisbane Roar DF 01-02-89 92
Alex Chidiac Adelaide United MD 15-01-99 1
Caitlin Foord Sydney FC MD 11-11-94 50
Katrina Gorry Brisbane Roar MD 13-08-92 49
Elise Kellond-Knight Turbine Potsdam (Ale) MD 10-08-90 76
Chloe Logarzo Newcastle Jets MD 22-12-94 12
Gema Simon Newcastle Jets MD 19-07-90 5
Emily van Egmond Wolfsburgo (Ale) MD 12-07-93 57
Lisa De Vanna Canberra United AV 14-11-84 117
Emily Gielnik Brisbane Roar AV 13-05-92 9
Samantha Kerr Perth Glory AV 10-09-93 46
Hayley Raso Canberra United AV 05-09-94 14
Kyah Simon Sydney FC AV 25-06-91 70

Alen Stajcic

 

A ‘milenial’ Ellie Carpenter é uma das mais recentes sensações do futebol feminino, já a alinhar no futebol sénior há duas temporadas, será a benjamim do torneio, salvo alguma novidade imprevista oriunda da China.

Várias das ‘Matildas’ têm formação futebolística universitária nos EUA, mas quase retornaram a casa e vão evoluindo na liga feminina, que se ‘alimenta’ a par da masculina Hyundai A-League, num interessante modelo promocional. Elise Kellong Knight é uma das ‘estrangeiras’, a alinhar no histórico Turbine Potsdam, bem perto da fronteira polaca, uma das melhores formações germânicas em termos de formação, agora arredada da luta pelos títulos face ao enorme investimento de clubes como Wolfsburgo e Bayern Munique.

Lisa De Vanna é referência da equipa.

Kyah Simon tornou-se na primeira indígena da Austrália a marcar pelas ‘Matildas’ e é uma das estrelas da equipa.

Holanda

As ‘Leeuwinnen’ terão a honra de acolher o Europeu 2017 e será Sarina Wiegman, anterior adjunta das selecções holandesas, a trazer a equipa ao Algarve e, previsivelmente, a orientar a Holanda no Europeu.

Holanda Clube Pos Nasc Int
Angela Christ PSV/FC Eindhoven GR 06-03-89 15
Loes Geurts Paris-SG (Fra) GR 12-01-86 113
Sari van Veenendaal Arsenal (Ing) GR 03-04-90 27
Mandy van den Berg Reading (Ing) DF 26-08-90 79
Sheila van den Bulk Djurgardens (Swe) DF 06-04-89 1
Kika van Es Achilles’29 DF 11-10-91 28
Stefanie van der Gragt Bayern Munique (Ale) DF 16-08-92 35
Desiree van Lunteren Ajax DF 30-12-92 39
Liza van der Most Ajax DF 08-10-93 2
Siri Worm Twente DF 20-04-92 31
Anouk Dekker Montpellier (Fra) MD 15-11-86 52
Danielle van de Donk Arsenal (Ing) MD 05-08-91 57
Sisca Folkertsma PSV/FC Eindhoven MD 21-05-97 3
Jackie Groenen 1FFC Frankfurt (Ale) MD 17-12-94 11
Tessel Middag Manchester City (Ing) MD 23-12-92 39
Jill Roord Twente MD 22-04-97 11
Sherida Spitse Twente MD 29-05-90 126
Kelly Zeeman Ajax MD 19-11-93 12
Lineth Beerensteyn Twente AV 11-10-96 9
Renate Jansen Twente AV 07-12-90 8
Lieke Martens Rosengard (Swe) AV 16-12-92 66
Vivianne Miedema Bayern Munique (Ale) AV 15-07-96 42
Shanice van de Sanden Liverpool (Ing) AV 02-10-92 33

Sarina Wiegman

Anouk Dekker, a alinhar na liga francesa, é uma das principais figuras da selecção holandesa.

A vedeta é, no entanto, Vivianne Miedema, corrente artista a pintar obras-primas nos relvados alemães pelo Bayern Munique.

Portugal

Francisco Neto tem na selecção portuguesa o seu primeiro assinalável como técnico principal. Depois de um começou pouco prometedor, exibicionalmente e no que toca a resultados, a ponta final da fase de grupos transportou Portugal até uma inédita qualificação rumo ao Europeu, por via do play-off diante da Roménia.

A grande novidade na convocatória para a Algarve Cup é o regresso de Mélissa Antunes, uma futebolista e futsalista de eleição que há alguns anos abdicou da relva por preferir o pavilhão, sendo contudo convencida pelos dirigentes do Sporting Braga a regressar ao futebol de onze, já com a presente temporada em pleno andamento, agora voltando à selecção ‘AA’ e piscando o olho a uma vaga no Europeu holandês.

Portugal Clube Pos Nasc Int
Rute Costa Sporting Braga GR 01-06-94 1
Patrícia Morais Sporting CP GR 17-06-92 39
Neide Simões Valadares Gaia GR 19-06-88 59
Carole Costa Cloppenburg (Ale) DF 03-05-90 76
Matilde Fidalgo Futebol Benfica DF 15-05-94 28
Matilde Figueiras Sporting CP DF 07-08-96 2
Raquel Infante Levante (Esp) DF 19-09-90 11
Mónica Mendes Neunkirch (Sui) DF 16-06-93 34
Sílvia Rebelo Sporting Braga DF 20-05-89 66
Filipa Rodrigues Estoril-Praia DF 04-09-93 13
Mélissa Antunes Sporting Braga MD 08-01-90 21
Ana Borges Sporting CP MD 15-06-90 87
Amanda Da Costa Chicago Red Stars (EUA) MD 07-10-89 14
Diana Gomes Valadares Gaia MD 26-07-98 0
Vanessa Marques Malho Sporting Braga MD 12-04-96 34
Cláudia Neto Linkopings (Swe) MD 18-04-88 99
Fátima Pinto Sporting CP MD 16-01-96 22
Tatiana Pinto Sporting CP MD 28-03-94 19
Suzane Pires Santos FC (Bra) MD 17-08-92 17
Dolores Silva USV Jena (Ale) MD 07-08-91 73
Ana Cristina Leite Bayer Leverkusen (Ale) AV 23-10-91 35
Laura Luís USV Jena (Ale) AV 15-08-92 32
Diana Silva Sporting CP AV 04-06-95 17

Francisco Neto

 

A jovem Rute Costa tem sido uma das sensações da temporada e pilar no sucesso da estreia das ‘Gverreiras do Minho’ na Liga Allianz.

Após uma experiência francesa, Patrícia Morais voltou a Portugal para defender as redes leoninas no regresso do Sporting CP no futebol feminino.

A viseense Neide Simões também já viveu as redes no estrangeiro, no seu caso na liga alemã, tendo regressado em 2014 para o projecto do Valadares Gaia.

Tatiana Beleza, que vai alinhando no Estoril-Praia, de 19 anos, e Sara Oliveira do Clube Albergaria são dois nomes para o futuro das balizas lusas, espaço que parecia destinado a Bárbara Santos, vital no sucesso das sub19 em 2012, mas a quem faltou/falta espaço evolutivo para se afirmar em pleno. Jamila Marreiros, durante anos a disputar primeira escolha, vem perdendo espaço apesar de continuar a exibir-se bem no bicampeão Futebol Benfica, ela que passou cinco anos na liga espanhola.

Com carreira realizada na Alemanha, onde continua, Carole Costa afirmou-se como esteio defensivo.

Uma das jovens que brilharam na Turquia em 2012, a ‘Geração Dourada’ feminina, Matilde Fidalgo é a lateral, habitualmente direita, e uma líder no relvado e fora dele, como se comprova com a braçadeira que ostenta no Futebol Benfica.

Matilde Figueiras continua a crescer, foi uma das novidades leoninas, depois de já se ter apresentado muito bem no A-dos-Francos, que ajudou a subir ao máximo escalão português.

A ‘trota-mundos’ do futebol feminino, Raquel Infante está de volta ao campeonato espanhol, depois de já ter experimentado Itália e a Finlândia. Algumas lesões têm atormentado a central, mas mantém-se firme a cada recuperação.

Mónica Mendes também faz parte da ‘Geração Dourada’ e antes do sucesso turco nas sub19 já tinha dado a Portugal medalhas jovens no karaté. A polivalente defesa brilhou no futebol universitário norte-americano e desde o término do curso a jovem almadense já experimentou as ligas cipriota, norueguesa e suíça, onde está neste momento. Está de volta às convocadas após algum tempo de ausência.

Sílvia Rebelo trocou a Fundação Dona Laura Santos pelo projecto Sporting Braga neste Verão. De Gouveia para Braga e a espreitar o título.

A subida do Estoril-Praia observou Filipa Rodrigues trocar o Ouriense, onde foi campeã, pela Linha. Também ela faz parte da ‘Geração Dourada’.

Ana Borges voltou em 2017 a Portugal para reforçar o Sporting CP depois de anos no estrangeiro, mais recentemente no Chelsea, onde parece ter perdido alguma da chama com que arrebatou o futebol feminino. Necessita de volta a ganhar todo o gosto pelo jogo e não é lateral, desempenha-se bem aí com três defesas atrás, mas é desperdício de talento numa linha de retaguarda a quatro.

Foi uma das estrelas emergentes do futebol norte-americano e antevia-se que fosse internacional absoluta pela ‘Stars and Stripes’. A evolução não caminhou por aí e a luso-descendente aceitou o convite lusitano. O pai, Rui, nasceu no Moçambique português enquanto a mãe, Adelaide, nasceu na ‘Metrópole’.

Vanessa Marques Malho também é da ‘Geração Dourada’, onde era uma das caçulas. Apesar de somente 20 anos a jovem minhota, uma das novidades com o Sporting Braga, já soma quase 40 partidas nas ‘AA’ e é uma craque, tem tudo, leitura de jogo, posicionamento, passe, se sair de Portugal para uma liga de maior dimensão onde tenha espaço de crescimento pode ser um caso sério do futebol mundial.

Cláudia Neto é o coração da selecção, actualmente a futebolista portuguesa com maior projecção, acaba por perder um pouco na equipa nacional ao ser posicionada demasiado à frente, também por excesso de qualidade no miolo luso, que acaba por ‘matar’ a qualidade de jogadoras como Cláudia ou Vanessa quando posicionadas muito próximas da avançada, sem espaço para progredirem em posse ou passe e aproveitarem melhor a meia distância e as combinações com estas de frente para a baliza e não de costas.

A madeirense Fátima Pinto teve uma passagem pela fronteira espanhola, mas regressou para a formação do plantel do Sporting CP. É mais uma das estrelas da ‘Geração Dourada’.

Também da ‘Geração Dourada’ é Tatiana Pinto, que primeiro brilhou no Clube Albergaria, emigrou com os pais para a Suíça, experimentou o Sand alemão, pouco antes da subida deste à principal divisão germânica, regressando a Portugal depois de passar ainda pelo futebol inglês para reforçar o Sporting CP.

Paulista de nascimento, formado no futebol universitário norte-americano, Suzane Pires foi ‘pescada’ por Portugal face a avós lusos, conseguindo a selecção portuguesa ‘roubá-la’ à brasileira.

Tímida, ainda, fora do relvado, Dolores Silva é fabulosa dentro das quatro linhas. No ano em que rumou à Alemanha atrás do sonho fez uma rotura de ligamentos, mas não desistiu, permaneceu no país e fez-se uma futebolista de eleição. Talvez seja demasiado discreta, quase a roçar a perfeição na leitura e antecipação, e por isso ainda não tenha dado o salto para uma formação germânica que lute pelo título, mas dá gosto vê-la jogar.

Nasceu e cresceu na Alemanha, fez-se ali futebolista e continua a realizar carreira no seu país de nascimento, Ana Cristina Oliveira Leite é uma das soluções para o ataque português.

A madeirense Laura Luís, na Alemanha, e Diana Silva, outra das estrelas parte da ‘Geração Dourada’, completam o lote de convocadas, onde ainda se nota a ausência de Jéssica Silva e Andreia Norton, duas jovens aveirenses, uma do sul do distrito, outra do norte, uma formada no Clube Albergaria, outra a surgir no Cesarense, com lesões a atrapalharem a época, mas ambas no Sporting Braga e prontas a brilhar.

De fora ficaram ainda as goleadoras da Liga Allianz, Solange Carvalhas, reforço do Sporting CP vinda do Anderlecht, já com 22 tentos na liga, Mafalda Marujo do Futebol Benfica, Catarina Machado do Vilaverdense, assim como nomes que ainda podem aspirar à ida ao Europeu como Regina Pereira, Adriana Rodrigues, Ritinha Fontemanha ou Joana Marchão, provavelmente a melhor lateral esquerda portuguesa, mas ainda ausente das opções do seleccionador.

Outro nome a ter em conta para o futuro também nasceu na Madeira, dá pelo nome de Amélia Vale Pereira e é uma das novidades do Sporting CP após algumas temporadas em Inglaterra.

A lista continuaria, dando nota de que vale a pena ir até um campo ver futebol feminino português, há qualidade e crescente quantidade, faltam mais apoios e a mediatização do futebol no feminino a isso ajudará.

 

Deixe o seu comentário

bomfutebol
Powered by Live Score & Live Score App