-- ------ Golos, transições rápidas, organização e Bom Futebol - Manchester City vs Shakhtar Donetsk - Bom Futebol
Bom Futebol

Golos, transições rápidas, organização e Bom Futebol – Manchester City vs Shakhtar Donetsk

Kevin De Bruyne - Manchester City

Golos, transições rápidas, organização e Bom Futebol – Manchester City vs Shakhtar Donetsk

Um dos jogos mais interessantes desta terça feira de Liga dos Campeões foi, com certeza, o confronto do Manchester City de Pep Guardiola frente ao Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca.

Um jogo que nem necessitava de golos para ser interessante. Uma partida que teve de tudo. Para além de dois golos, ambos para a equipa da casa, o Manchester City, o encontro teve transições rápidas, que tanto os adeptos gostam, um futebol de grande qualidade individual e coletiva, remates de média, longa e curta distancia, e claro muito Bom Futebol.

Primeira Parte

O primeiro tempo foi de muito equilíbrio, com a posse da bola que, à partida, seria muito superior para o lado dos “ingleses”, mas os “ucranianos” do Shakhtar, comandados por Paulo Fonseca, equilibraram muitíssimo bem a percentagem de posse de bola (51% para o Manchester City e 49% para o Shakhtar).

O Futebol Total de ambas as equipas acabou por ser bem mais interessante na primeira parte. O Manchester City sempre muito igual a si próprio e à Filosofia Guardiola. Muito em posse e organização ofensiva. Circulando a bola por todo o terreno de jogo. Fernandinho, sempre muito importante na primeira fase de construção, junto aos centrais, e David Silva importantíssimo em segunda fase, na definição da jogada.

Kevin De Bruyne = Bom Futebol

Mas o elemento chave é mesmo Kevin De Bruyne. O médio belga está em todos os momentos do jogo, e não necessita de correr muito para estar em todo o lado. De Bruyne é o Xavi (ex-Barcelona) do City de Pep Guardiola. Jogador essencial em primeiro e segunda fase de construção, pela qualidade de passe, coloca a bola onde quer, percepção do jogo, está quase sempre disponível para receber a bola, grande visão de jogo, decide quase sempre bem. Para além disso, ainda se demonstra disponível para rematar forte e colocado.

No entanto, felizmente, o jogo não foi somente de um único sentido. O Shakhtar demonstrou e muito bem todo o seu Bom Futebol e jogadores, para isso, tem Paulo Fonseca muitos à disposição. Desde Ismaily (defesa esquerdo), Fred (médio de construção), Bernard e Marlos (médios criativos) e Taison e Pereyra (frente de ataque). Até ao final do primeiro tempo, muitas vezes colocaram em sentido a defensiva do City, provocando diversos calafrios aos adeptos da casa.

Segundo Parte

O segundo tempo teve direito ao que faltou à primeira parte desta bela partida de Futebol, os golos. O primeiro, que abriu naturalmente a contagem, foi logo ao minuto 48. Para além de definir o comando da partida, para os “ingleses”, também acabou por destruir o animo dos “ucranianos”.

Mau passe de Marlos, a bola é recuperada por David Silva que, rapidamente, entrega a De Bruyne. O belga, à entrada da grande área, livre de marcação e com muito tempo para definir tudo, remata de forma brilhante e super colocado, fazendo a bola descrever um arco que até fez com que o guardião ucraniano, Pyatov, acreditasse que a bola iria para fora. Grande golo de Kevin De Bruyne para o 1-0.

Depois do primeiro golo, Pep Guardiola ganhou o jogo

Com o golo sofrido, os comandos de Paulo Fonseca, esmureceram, denotando-se, até mesmo, alguma fadiga, e acabaram por entregar por completo o jogo aos citizens, que controlaram a partida a seu belo prazer.

Pep Guardiola soube gerir, muito bem, a partida e o esforço dos seus jogadores. Substituindo Gabriel Jesus, que era obrigado a fechar à direita e acompanhar Ismaily, nas suas naturais incursões ofensivas, para além de, em missão ofensiva, ter que se colocar bem próximo de Sergio Agüero, fazendo Sterling entrar e refrescando a ala direita.

Mais tarde, tirou David Silva e fez entrar Gundogan. Não perdeu qualidade de passe e ganhou nos processos defensivos, equilibrando mais o seu meio campo. Por fim, retirou Sergio Aguero, que viu a conversão de uma grande penalidade em golo, ser-lhe negada por grande defesa de Pyatov, e colocou Bernardo Silva a jogar como uma espécie de falso 9, ao bom estilo de Messi.

E foi assim, com o português ao centro, que o City chegou ao 2-0. Sterling, na direita, vê Bernardo Silva a fazer a diagonal do meio para a direita, entrega-lhe a bola e corre para a área, cruzando diagonais com Leroy Sané, vinda da esquerda para o meio. Tudo enquanto Bernardo Silva preparava a assistência para Sterling rematar e fechar a partida com o 2-0 final.

Um primeiro tempo, sem golos, muito mais interessante do que um segundo com dois golos para a delicia de todos os amantes de BomFutebol.

Melhores Momentos do Jogo

O Manchester City fica com pleno de vitórias, 2 jogos, 6 pontos e o Shakhtar com 2 jogos e 3 pontos, fruta da vitória por 2-1 frente ao Nápoles na primeira jornada.

Deixe o seu comentário

bomfutebol