-- ------ Copa América Centenário, Quartos II - Bom Futebol
Bom Futebol

Copa América Centenário, Quartos II

Rasgar, virar e jogar… mas só dos 11 metros se apurar. Uma Ospina de herói!

Pekerman regressou ao plano inicial de onze depois do ‘descanso’ do encontro final da fase de grupos. O compatriota Gareca, seleccionador do Peru, também retomou a dupla original do meio-campo Vilchez e Tapia mas manteve as escolhas iniciais para a direita do terceiro encontro, Corzo e Andy Polo.

Nas bancadas quase 80 mil adeptos confirmam o sucesso da competição em termos de assistências.

3

Se houve um encontro rasgadinho, esta primeira parte está lá. É incrível como o juiz argentino conseguiu não mostrar um único amarelo. Não houve burburinho mas sobrou em rispidez, dureza e virilidade, com 15 faltas – assinaladas – ainda antes da meia hora e quase meia dúzia de entradas das equipas médicas de ambos os lados. O centímetro quadrado subiu imenso no custo para esta partida.

A Colômbia entra melhor e logo aos três minutos Cuadrado descobre Bacca que, apesar de se deixar fechar, ainda consegue rematar de ângulo apertado, num primeiro calafrio para Gallese.

O Peru tentou responder mas o jogo colombiano carrilou muito bem pela direita, em combinações entre Arias, Carlos Sánchez e Cuadrado, com James por vezes a aproximar-se também. Trauco, que tem sido um dos melhores laterais esquerdos da prova, cobiçado por emblemas europeus e norte-americanos, viu-se e desejou-se perante as múltiplas investidas, bem desdobradas, dos ‘cafeteros’ no seu lado.

A maior oportunidade, contudo, surge da meia esquerda. James Rodríguez tem uma iniciativa individual, ganha metros frontais e remata, de pé direito, com a bola a embater na base do poste de Gallese.

Trauco não abdicou de atacar e já depois dos 30 minutos combina de forma superior com Cueva e Flores, ganha a linha de fundo, centra junto à baliza e Ospina mostra-se muito atento na antecipação a Guerrero, sempre muito lutador na frente.

Vilchez revela preponderância no miolo peruano, conseguindo travar a euforia e ímpeto colomobianos e recuperar diversas vezes a bola. Ramos, por seu turno, procurar realizar passes longos em busca de Cueva no espaço ou de Guerrero para segurar e deixar respirar as linhas mais defensivas dos peruanos.

Intervalo em branco mas com um jogou que deu para suar só de ver!

4

A Colômbia volta a entrar melhor no encontro e o Peru não vacila, falta, falta. Gareca percebeu que a única forma de travar os ‘Cafeteros’ era enervá-los, apostar o máximo nos confrontos físicos. E resultou.

Arias e Bacca combinam bem mas a bola não encontro melhor desfecho aos 52 minutos. Não muito depois é James novamente a desequilibrar, centra para o avançado, que não finaliza da melhor forma.

Tapia é o primeiro admoestado, recebendo cartolina amarela aos 63 minutos.

Os peruanos conseguiram sacudir a pressão e aos 70 minutos é o centrocampista Vilchez a surgir em ataque, pela meia direita e a sofrer falta do lateral Díaz na quina da área, resultando daí o terceiro amarelo do desafio.

Sabendo que apenas a final terá prolongamento – um bom exemplo para análise, ambos os seleccionadores realizaram substituições ambiciosas, percebendo que um golo não obtido no tempo regulamentar levava o jogo para a decisão por grandes penalidades.

Pekerman tira o apagado Cardona, no seu pior jogo da competição, para colocar o avançado Dayro Moreno, enquanto Gareca responde com a saída de Edison Flores, em claro défice físico, para fazer entrar Ruidíaz. Pouco depois é o médio mais defensivo colombiano, Torres, a dar lugar a Sebastián Pérez, enquanto Benavente entra no lugar do desaparecido Andy Polo.

Ospina acaba como herói. Se a Colômbia pareceu sempre mais perto do golo, a verdade é que foi o guardião do Arsenal, nos descontos, a ter uma vistosa defesa a um potente cabeceamento de Ramos que daria um quase certo triunfo e apuramento da ‘albirroja’ face aos mais favoritos ‘cafeteros’.

5

Na decisão dos onze metros os colombianos – por James Rodríguez, Cuadrado, Dayro Moreno e Sebastián Pérez, respectivamente – concretizaram os seus remates, enquanto no Peru Ruidiaz e Tapia marcaram, contudo o jovem lateral esquerdo Trauco viu Ospina ter agilidade para parar o seu com os pés, depois de já se ter lançado, enquanto Cuevo atirou para fora.

Apuram-se os ‘cafeteros’, mas a ‘albirroja’ pode despedir-se com a sensação de dever mais do que cumprido e com montra assegurada para Trauco e Vilchez, pelo menos.

https://www.youtube.com/watch?v=MGZKyB47DjM

 

Autor: António Valente Cardoso

 

Deixe o seu comentário

bomfutebol