-- ------ Entrevista a Joana Maia - Treinadora do Atlético Clube de Cucujães -
Bom Futebol

Entrevista a Joana Maia – Treinadora do Atlético Clube de Cucujães

Entrevista a Joana Maia – Treinadora do Atlético Clube de Cucujães – Raparigas da Bola

Em que altura da vida, a Joana, se começa a interessar pelo futebol?

Desde que me lembro, sempre foi a minha grande paixão. Os meus pais agora comentam que com dois/três comecei a dar os meus primeiros “toques na bola”, mas o que achavam surpreendem-te e “engraçado” é que com os meus três/quatro anos já via um jogo de futebol na televisão do início ao fim. No entanto, o maior responsável foi o meu pai, que sempre me incutiu, transmitiu e alimentou o meu gosto pelo futebol. Sendo que o meu avô materno foi jogador profissional, vindo de Cabo Verde para jogar ao mais alto nível em equipas como o SL Benfica, Académica de Coimbra e CD Feirense. Com isto, considero que também este “gosto” vem um pouco dos “genes”.

Como começou esse percurso?

Fui sempre jogando muito futebol, no infantário, na escola primária, no A.T.L., em casa dos meus avós, dos meus tios. A bola esteve sempre presente na minha infância. A nível federado, iniciei a minha carreira no CD Feirense aos 15 anos, Clube que representei durante cinco épocas. Considero que foram as melhoras a nível futebolístico, porque me deu oportunidade de experienciar a realidade das seleções de Aveiro e Nacional (Sub-19).

Custou deixar o relvado e assumir a direção de uma equipa?

Causa alguma estranheza, deixar um contexto onde fui imensamente feliz, mas penso que faz parte da mudança. E neste momento, não era compatível a minha carreira como jogadora e treinadora. Optei pela de treinadora e estou completamente focada, empenhada e motivada.

“Espero que venha a ser “normal” ver uma mulher a dirigir/orientar uma equipa a top (seja ela feminina ou masculina).” 

Esta época vai orientar a equipa sénior do Atlético Clube de Cucujães. Qual o maior desafio que prevê para esta época?

O meu maior desafio, enquanto líder do Grupo, é ligar o Coletivo à mesma Ideia. Tanto a nível de conduta como de “jogar”. A minha Equipa ter sentido de compromisso e as minhas jogadoras virem treinar/jogar com a ânsia de que todos os dias são para melhorar, para sermos melhores. A nível do “jogar” pretendemos que seja de qualidade, prazeiroso para as nossas jogadoras e atrativo para quem nos vem ver. No fundo, o Grupo ter um entendimento/objetivo em comum.

Mulher treinadora. É algo que veremos mais vezes? Acha que as mulheres poderão ter o mesmo sucesso que os homens?

Infelizmente, ainda se vêm muito poucas, principalmente neste patamar. Mas as poucas que temos, têm demonstrado competência. Espero, num futuro breve ver, principalmente, nos Campeonatos Femininos as Equipas a serem lideradas por mulheres. Em relação ao ter “o mesmo sucesso que os homens” , penso que já estivemos mais longe de fazer a diferença nesse sentido, no entanto, a caminhada que está a ser feita deve ser continuada e estimulada, para conseguirmos o devido mérito e respeito pelo nosso trabalho. Espero que venha a ser “normal” ver uma mulher a dirigir/orientar uma equipa a top (seja ela feminina ou masculina).

“Temos talento e potencial, umas jogadoras com ele confirmado, outras em ascensão e a crescer. Mas, não tenho dúvidas, que o futebol feminino português terá um futuro risonho! “

Como se define enquanto treinadora?

Em treino/jogo, exigência máxima, as minhas jogadoras percebem que quando estamos a “trabalhar” tem de ser sempre com grande intensidade. Admito que elas errem, faz parte do processo, mas têm de estar sempre por inteiro em cada treino, em cada jogo. Nos momentos de “lazer”, tento potenciar a União do Grupo, quero que todas elas se sintam úteis. E aí, tenho uma ligação próxima com elas, penso que todas elas sabem que podem contar comigo, tanto a nível futebolístico como a nível pessoal.

O que vai “exigir” sempre à sua equipa, às suas atletas?

Qualidade! Compromisso, dedicação e persistência. E mantermo-nos, sempre, fiéis às nossas ideias.

Para terminar… Até onde pode chegar o futebol feminino Português? Tem pernas para andar e chegar longe na Europa?

Claro que sim. A nossa seleção Nacional é prova disso, com uma evolução tremenda nos últimos anos, sendo cada vez mais capaz de fazer frente a qualquer seleção. Temos talento e potencial, umas jogadoras com ele confirmado, outras em ascensão e a crescer. Mas, não tenho dúvidas, que o futebol feminino português terá um futuro risonho! 

Autoria: Raparigas da bola

Deixe o seu comentário

bomfutebol