-- ------ Entrevista a Sereno - A Economia do Golo - Bom Futebol
Bom Futebol

Entrevista a Sereno – A Economia do Golo

Entrevista a Sereno – A Economia do Golo

Um dos Portugueses a Jogar na Super Liga Indiana.

Henrique Sereno, aos 32 anos, é um dos portugueses a jogar na Indian Super League, no Chennaiyin, um clube com ambições para almejar o título de um dos maiores países do mundo.

Refira-se, ainda, em jeito de apresentação, que o alentejano pode ser considerado alguém que viveu um pouco de tudo no futebol. Desde ganhar a titularidade num Vitória SC a viver o inferno da II Liga, a formar uma das melhores duplas de centrais da história do clube com o actual capitão de equipa do Grémio, Pedro Geromel, até emigrar para o Valladolid, para regressar pela porta grande ao FC Porto onde não foi feliz, foram muitas as vivências do central polivalente que se notabilizou por poder jogar em qualquer posição da defesa.

Depois do FC Porto, o périplo pelo estrangeiro continuou na Turquia, no Kayserispor, onde, em duas temporadas, voltou a ser o defesa fiável que toda a gente conheceu no Vitória. Após o Oriente, viria a mítica Bundesliga, no Mainz, onde as lesões que já se haviam feito sentir em Guimarães, regressarma… e como o próprio reconhece, tal facilitou a busca de um futebol menos exigente fisicamente…

Estava explicada a aposta no exotismo indiano, sendo que o Chennayim é o segundo clube no país, após a aventura na época passada no ATK.

Mas, apresentemos, na primeira pessoa as conclusões do central elvense.

Para começar, o que o levou a apostar numa liga tão exótica como a indiana?

Sereno – Tinha acabado de rescindir contrato com o Mainz e como tinha sido um ano muito mau a nível físico, atento as diversas lesões que sofri, decidi que seria a altura de experimentar outros campeonatos menos exigentes a nível físico.

Já experimentou diversos campeonatos do mundo. O futebol na Índia tem mesmo o potencial que muitos críticos sugerem?

Sereno – Existe, na verdade, muito potencial. E nota-se que os jogadores indianos evoluem imenso de ano para ano . Mas, que ninguém se iluda, pois ainda há um largo caminho a percorrer!

Falemos dos aspectos organizativos. Como se encontra a Indian SuperLeague?

Sereno – Podemos dizer que está a um grande nível! Aqui não falta nada, há bons estádios, bons hotéis , boas condições de treino. Tudo a um nível superior!

Podemos compará-la com a Major League Soccer americana?

Sereno – Não conheço por dentro a MLS, mas pelos amigos que jogaram lá parece ser mais ou menos parecido. Temos o mesmo formato de campeonato, mas devemos ser honestos quanto à qualidade dos atletas, pois independentemente do desenvolvimento do atleta indiano, os jogadores americanos são mais evoluídos.

Encontra pontos de contacto com o campeonato português?

Sereno – Em relação ao campeonato português, a nível competitivo não tem comparação , a qualidade aqui é muito menor! Todavia, a nível de estádios e organização da prova o nível, aqui é superior!

Certamente já defrontou bastantes jogadores indianos. Em que nível de evolução encontra-se o futebol do país?

Sereno – Ainda estará num nível baixo , mas como disse melhoram de ano para ano! A selecção sub-17, orientada pelo nosso compatriota Luís Norton de Matos, fez um grande campeonato mundial e isso já denota uma grande melhoria! Daqui a uns 6 anos poderão ser muito melhores!

Quais as perspectivas do Chenyiiain no actual campeonato?

Sereno – Bem, no Chennai como em qualquer outra equip da Índia, o objectivo é ser campeão! Lembro, porém, que é tudo muito equilibrado, pelo que nunca se sabe o que se vai passar!

O Sereno é um elvense de nascimento, mas fruto da vida familiar, será praticamente um vimaranense. Que diferenças encontra entre a vida em Chennai e em Guimarães?

Sereno – A nível de cidades a diferença é muita! Guimarães é muito melhor, Portugal é sem duvida o melhor país do mundo! Na Índia, podemos dizer que vivemos no terceiro mundo , apesar de ano para ano haver grande mudanças no aspecto positivo.

Depois de Maio, a intenção será voltar para o ano?

Sereno – Falando em termos percentuais, e sendo extremamente concreto, há 90% de terminar a minha carreira!

Pode contar uma história insólita ocorrida nessa sua aventura…

Sereno – Histórias, há muitas… aqui todos os dias há uma história para contar! Uma cultura bem diferente da nossa! Muitas pessoas , demasiadas até, mas bondosas!

Sereno, o nosso muito obrigado, e todas as felicidades do mundo na aventura indiana e felicidades para o seu futuro!

A Economia do Golo

Entrevista conduzida por Vasco André Rodrigues (A Economia do Golo)

Deixe o seu comentário

bomfutebol