-- ------ Entrevista a Hugo Duarte – Clube Futebol Benfica "Fófó" – Liga Allianz
Bom Futebol

Entrevista a Hugo Duarte – Clube Futebol Benfica “Fófó” – Liga Allianz

Entrevista a Hugo Duarte – Clube Futebol Benfica “Fófó” – Liga Allianz

Fale- nos um pouco do seu percurso como treinador.O que o levou ao Futebol Feminino?

Desde já quero agradecer à  página Raparigas da Bola assim como ao site Bom Futebol , pelo contacto para conceder esta entrevista. O meu percurso como treinador ainda é muito curto , comecei como adjunto de uma equipa de iniciados do Sport Lisboa Olivais onde conseguimos um excelente 3º lugar. Entretanto há 3 anos atrás recebi um convite do actual treinador do C.A.C Feminino para o ajudar no ponte Frielas onde entrei a meio da época.

No ano seguinte seguíamos para o A.D. Bobadelense , uma equipa simpática com bons valores mas por incompatibilidade não iniciei a época e afastei-me. Entretanto comecei a minha aventura no Ibercup ( talvez o maior torneio jovem do mundo ) que nestes últimos 2 anos tenho 3 finais disputadas.

IberCup Marbella – finalista , derrota por 2-1 com Málaga

IberCup Escandinávia – vencedor

IberCup Estoril – finalista , derrota por 2-0 com Espanhol de Barcelona

Nestes torneios tive o prazer de trabalhar com 80% das atletas internacionais sub 17 , sub 19 e AA ( Diana Gomes – Braga,  Catarina Amado – Estoril e Inês Silva – Estoril ).

É desafiante treinar meninas/mulheres?

É um desafio enorme. Se nos rapazes é difícil, nas mulheres é mais complexo, mas claro que tem as suas partes boas. Para mim as mulheres são mais profissionais que os homens , são mais trabalhadoras, sabem ouvir, são muito respeitadoras e claro num mundo de desigualdade elas estão cá para dizer PRESENTE.

Como acha que as suas jogadoras o caracterizam como treinador?

Uma pergunta difícil, acho que elas gostam imenso de mim , porque para além de me preocupar futebolisticamente também me preocupo com questões pessoais (família, escola, etc.). Uma das características que tenho é ser muito frontal e ser o mais justo possível, (neste vida de treinador é muito difícil haver alguém que seja 200% justo) e faço com que elas acreditem em tudo o que é lhes proposto.

Os meus discursos, a minha honestidade fazem tudo parecer mais transparente, elas dizem que eu sou muito focado e exigente mas quando é o momento para brincar, eu sou o primeiro a dar o passo.

Esta época faz parte da equipa técnica de um dos grandes emblemas do nosso Futebol Feminino. Sente maior responsabilidade, ou por outro lado, a motivação é maior?

Sim, verdade. Durante o último Ibercup Estoril recebia todos dias várias chamadas de clubes, incluindo um clube grande, de forma a dar informações sobre algumas atletas, e algumas chamadas do meu presidente Domingos Estanislau (Fófó) para marcar uma reunião no clube, e assim foi.

O projecto era aliciante, iria ser treinador principal na equipa sub 19 e treinador adjunto das seniores, derivado ao meu bom conhecimento do futebol feminino (na liga Allianz trabalhei com jogadoras de praticamente todos os clubes). Claro que era um motivo de orgulho pois tratava-se do bi-campeão , vencedor da Taça Portugal, Super-taça e Women”s Champions League , um clube com 14 modalidades e com aproximadamente 1000 atletas .

A responsabilidade faz parte do meu ADN  pois sempre fui assim  independentemente do clube, levo o trabalho sempre muito a sério de uma forma  profissional.

Quando chegou ao “Fofó” o que encontrou de diferente dos outros clubes por onde já havia passado?

Quando cá cheguei fiquei impressionado com a história do clube, a qual desconhecia por completo. Um clube, que quando pela 1ª vez Portugal ganhou um campeonato do mundo de hóquei patins, nessa equipa haviam 3 jogadores do Clube Futebol Benfica (Fófó).Um clube formado em 1895 que depois foi reorganizado em 1933 , há muita historia para contar ….

Temos um Presidente incansável no apoio a todas as modalidades, uma pessoa sempre disponível para ouvir e hoje em dia é muito importante. Um defensor nato do futebol feminino.

Com esta nova estrutura de Liga Feminina, o nosso futebol ficou a ganhar ou a perder?

Para mim só ficou a ganhar,  muitas pessoas que falam da forma como entraram, mas isso foi um convite do  Presidente da Federação Portuguesa de Futebol e da Mónica Jorge . Esta nova estrutura só traz benefícios para todos, desde o profissionalismo, às condições que os clubes dão, ao sonhos das atletas e à evolução do Futebol Feminino .

Costumo dar como exemplo o Sporting que tem uma excelente formação, desde já mando um abraço muito grande para a Mariana Cabral e restantes treinadores que as formam, pois mais tarde os clubes chamados pequenos vão beneficiar com isso. Repare, este ano fomos buscar (NDR.: ao Sporting) Sara Granja e Francisca Ferreira para a equipa sénior, Jed Rodrigues e Mariana Leitão (uma atleta de excelência), o Estoril reforçou-se com Amélia, Tânia Rodrigues, Ana Rita Viegas e o mesmo se passará no norte com o Braga com, por exemplo, Sara Brasil para o Vilaverdense .

Não teme que os clubes ditos, “mais pequenos”, venham a sofrer com o crescimento dos grandes?

Bom, eu não temo, até porque no “Fófó” se está a trabalhar bem a formação, onde várias atletas têm sido chamadas para representar as seniores. Todos temos a ganhar com a entrada dos grandes clubes. Um conselho que dou, nestes próximos 2/3 anos , apostem muito na formação das atletas.

Até onde pode chegar o nosso Futebol Feminino?

Penso que daqui a 5/6 anos já estaremos a um nível muito bom no campeonato, até porque nestas  gerações de jogadoras há muita qualidade.

A aposta nos clubes grandes vem ao encontro das minhas perspectivas e temos todos, mas mesmo todos, de acreditar na nossa F.P.F e no trabalho que estão a desenvolver.

E o Hugo, até onde pretende chegar como treinador, qual o seu sonho?

A pergunta mais difícil ….

Bem eu sou uma pessoa muito ambiciosa que apesar de estar num excelente clube quer sempre mais. Pretendo a curto/médio prazo chegar a treinador principal da equipa sénior, ou então trabalhar numa estrutura profissional, mesmo que fosse na formação .

Este ano tive um convite dos USA mas preciso aprender um pouco mais. Sonho um dia chegar a uma final da Taça de Portugal, ou ganhar um campeonato.. Tenho também um objectivo apesar de ser um pouco remoto, trabalhar na estrutura da Federação Portuguesa de Futebol .Tenho como objectivo formar as minhas jogadoras a nível “ profissional “ mas também a nível pessoal, pois o sucesso delas também será um pouco meu.

Quero agradecer mais uma vez a entrevista e desejo-vos tudo de bom

Autoria: Marta Faria

Raparigas da Bola

Deixe o seu comentário

bomfutebol