-- ------ Euro 2016 – Oitavos de Final VII - Bom Futebol
Bom Futebol

Euro 2016 – Oitavos de Final VII

Euro 2016

Oitavos de Final

Itália – Espanha

Stade de France ( Paris )

27 de Junho de 2016

Árbitro – Cuneyt Çakir ( Turquia )

Jogo grande no Stade de France em Paris, Itália e Espanha voltavam a encontrar-se num Europeu, quatro anos depois da final de Kiev, em que os Espanhóis se sagraram bi-campeões da Europa.

Os italianos, vencedores do Grupo E, rodaram bastante o seu onze na última jornada do grupo e entraram hoje em campo com uma equipa bem mais fresca que o seu rival espanhol ,que repetiu mais uma vez o onze inicial que tinha sido derrotado com a Croácia.

2

Figura 1 – Itália em 3-5-2

 3

Figura 2 – A Espanha em 4-3-3

O jogo começou debaixo de muita chuva e com um ritmo e intensidade elevados, quem esperava um Itália na expectativa e apenas a jogar no erro espanhol cedo pôde ver que o jogo não se jogaria debaixo desse cenário. Os jogos vão passando e a máquina italiana vai ficando cada vez mais oleada, impressionantes os comportamentos colectivos, com toda a gente a saber exactamente quando e o que fazer. A Espanha cedo se viu bloqueada na teia italiana, pouco intensa, previsível e sem a reacção à perda de bola de outros tempos, os espanhóis foram ficando à mercê de uma Itália que dava uma autentica lição de como contra atacar e atacar rápido. O sistema de Conte que tornou a Juventus temida encontra nos relvados franceses um palco para caminhar para o sucesso, ao qual não será alheio o conhecimento e rotinas adquiridas pelos 4 jogadores mais recuados, que controlam como patrões o processo defensivo, dando segurança à equipa para depois procurar atacar de forma rápida e segura.

 

4

António Conte comanda as tropas – Fonte: uefa.com

Depois da intempérie inicial, o Sol apareceu no Stade de France, mas as nuvens pareciam pairar sobre a bi-campeã da Europa que, aos sete minutos, via De Gea fazer a primeira defesa de elevado grau de dificuldade. Cabeceamento de Pellé, após um livre lateral, a obrigar o guarda redes espanhol a defesa de grande nível. O jogo foi diminuindo de ritmo mas pareceu sempre jogado sobre terrenos favoráveis à squadra azzura. A Espanha incapaz de criar perigo, com o trio da frente inoperante e com Parolo a secar a magia de Iniesta. Ainda assim foi dos pés do médio do Barcelona que saiu o único remate espanhol enquadrado com a baliza, da primeira metade, que Buffon defendeu sem dificuldade, aos 27 minutos.

De Rossi controlava as operações a meio campo e a equipa Italiana quase sempre encontrava espaço para ligar o seu jogo com a dupla de avançados, muitas vezes com lançamento longos para Pellé ganhar a primeira bola e permitir a entrada dos médios no espaço. À passagem da meia hora o avançado italiano desmarca-se para receber uma bola na entrada da área e é derrubado por Sérgio Ramos, livre frontal perigoso para a baliza de De Gea. Na cobrança, Éder remata forte fazendo a bola passar por uma zona onde estavam Pellé e Chiellini a encobrir a visão do guarda-redes, que defende para a frente aparecendo Giaccherini a dar um primeiro toque para o defesa Chiellini empurrar para o fundo das redes. Vantagem italiana, que já se ia justificando, e vida muito complicada para Del Bosque, que ao seu estilo ia assistindo de forma tranquila ao desenrolar dos acontecimentos.

5

Chiellini empurra para o primeiro da partida – Fonte: uefa.com

O golo aumentou ainda mais a confiança transalpina e até ao intervalo a vantagem podia ter sido dilatada, nomeadamente num grande pontapé de Giaccherini que De Gea voou para sacudir para canto.

Ao intervalo Del Bosque deixou Nolito nas cabines fazendo entrar o avançado Aduriz, mas os efeitos da palestra e da alteração ficaram logo comprometidos com a entrada forte da Itália que encarou de frente a reacção espanhola, deixando em sentido a defesa de Nuestros Hermanos. De Rossi saiu aos 52 minutos dando lugar a Thiago Motta e dois minutos volvidos Éder, na cara de De Gea, podia ter aumentado a vantagem italiana em mais uma magnifica transição com o toque delicioso de Pellé a isolar o colega. Na Espanha a entrada de Aduriz tinha feito derivar Morata para a esquerda, mas o jovem espanhol continuou “perdido” na muralha formada pelos colegas da Juventus. A Espanha aumentava ligeiramente o seu volume de jogo, sendo dificil distinguir se mais consentido do que conquistado, e num dos poucos momentos de boas combinações pelo corredor central Aduriz rematou ao lado da baliza de Buffon com algum perigo. A vinte minutos do final. Del Bosque faz entrar Lucas Vasquez para o lugar de Morata, mais uma vez troca por troca e poucos riscos assumidos pelo selecionador espanhol. O tempo ia passando e os italianos pareciam cada vez mais seguros de sí. Na entrada dos dez minutos finais os técnicos jogavam as ultimas cartadas, Del Bosque vê-se obrigado a tirar Aduriz lesionado e lança Pedro Rodriguez, e Conte refrescava o ataque com a saida de Éder e a entrada de Insigne. Pouco depois trocava Florenzi por Darmian e dava maior frescura ao corredor direito.

O tempo  já era escasso para os espanhóis tentarem levar o jogo para prolongamento, David Silva aparecia mais em jogo tentando descobrir espaços para criar perigo, mas o forcing final da armada espanhola foi sempre feito mais em desespero do que com critério.

E no último minuto da partida, um contra ataque com dois dos entrados na segunda parte em destaque para o lado italiano, Insigne a virar o flanco com um passe tremendo, e Darmian a receber e cruzar para o golo de Pellè, na cara de De Gea. Prémio bem merecido para o avançado italiano que, ao longo dos 90 minutos, foi sempre a referência que a equipa precisava para partir para a transição, ganhando inúmeras bolas no ar e no chão tocando sempre com qualidade.

7

Pellè remata para o golo transalpino – Fonte: uefa.com

Estava feito o resultado e lançada a festa italiana no relvado e bancadas do Stade de France, quatro anos depois da humilhante goleada sofrida na final de Kiev, a vingança chegava fria e servida com mestria pelo Chefe Antonio Conte que vai fazendo da Itália uma verdadeira equipa a ter em conta na luta pela sucessão à Espanha, que regressa a casa sem honra nem glória.

11

Figura 6 – Estatisticas ofensivas com azul – Itália e amarelo – Espanha – Fonte: uefa.com

1212

Figura 7 – Estatística Geral com azul – Itália e amarelo – Espanha – Fonte: uefa.com

8

Figura 8 – Melhor em campo – Fonte: uefa.com

A Itália segue para os quartos de final onde, depois de bater o Campeão da Europa em titulo, tem agora pela frente a Campeã do Mundo Alemanha, numa partida que promete muito para todos os amantes da modalidade.

Próximo jogo:

Sábado 20 horas . Alemanha vs Itália em Bordéus

 

Autor: Carlos Soares

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Azul – Itália ; Amarelo – Espanha ( fonte uefa.com)

A Itália segue para os quartos de final onde, depois de bater o Campeão da Europa em titulo, tem agora pela frente a Campeã do Mundo Alemanha, numa partida que promete muito para todos os amantes da modalidade.

Sábado 20 horas . Alemanha vs Itália em Bordéus

Deixe o seu comentário

bomfutebol
Powered by Live Score & Live Score App