-- ------ Francisco Neto divulga as 25 para o Europeu 2017 - Bom Futebol
Bom Futebol

Francisco Neto divulga as 25 para o Europeu 2017

Francisco Neto divulga as 25 para o Europeu 2017.

A selecção feminina apresta-se para fazer história com a primeira participação de uma equipa nacional sénior numa fase final de uma grande competição, concretamente o Europeu 2017, conhecendo-se hoje as 25 pré-convocadas para a prova. O Bom Futebol português é também feminino.

Os efusivos festejos do histórico apuramento. Fonte: Portal Futebol Feminino em Portugal

Francisco Neto optou por chamar 25, de onde sairão as 23 que viajarão para o Europeu que se realizará na Holanda entre 16 de Julho e 6 de Agosto. A grande ausente, que o tem sido também das recentes convocatórias, é a goleadora máxima da Liga Feminina Allianz, a ‘leoa’ Solange Carvalhas, regressada a Portugal nesta temporada para integrar o debutante projecto do Sporting CP, que culminou com a conquista do título e da Taça de Portugal, depois de uma experiência no Anderlecht belga.

Outro dos nomes estranhamente ausentes das convocatórias do seleccionador viseense é a lateral-média esquerda Joana Marchão, considerada de forma quase unânime como a melhor da sua posição, permanece fora das opções de Neto, que tem optado por não convocar uma esquerdina nata para a lateral. A escassez de opções defensivas nestas 25 indicia facilmente que todas as jovens convocadas para a retaguarda farão parte das 23 finais.

As duas futebolistas a saírem serão de campo pois as três guarda-redes já estão fechadas, salvo lesão, que implicará uma nova chamada para essa posição específica.

Patrícia Morais

Patrícia Morais é uma das campeãs nacionais convocadas. De 25 anos, nasceu em Santa Iria da Azóia, iniciando no Santa Iria o percurso futebolístico. Em 2008 rumou ao Ponte de Frielas e na temporada seguinte passou pela Escola de Futebol Feminino de Setúbal, onde foi requisitada pelo, ainda, dominador 1.º Dezembro. Em 2013/14 mudou-se para o A-dos-Francos e seguiram-se duas temporadas em França, primeiro no Yzeure, depois em Albi, antes de regressar a Portugal para assumir a titularidade da baliza do Sporting CP.

Vídeo do canal oficial de Patrícia Morais, a dar conta da exibição no play-off que garantiu a presença lusa nesta fase final, diante da Roménia.

Jamila Martins Marreiros

De há anos que a ‘luta’ pela titularidade na selecção é apertada entre Jamila Martins Marreiros e Patrícia Morais.

Jamila tem 29 anos, é algarvia, oriunda de Lagos, e mostrou-se no futebol feminino na Escola de Futebol Feminino de Setúbal, um dos bons formadores – quase todos negligenciados pela FPF – do futebol feminino luso. Aos 21 anos rumou a Espanha e fez parte do naipe português que brilhou em Saragoça, no Prainsa/Transportes Alcaine/Saragoça, que deixou em 2013 para rumar ao Espanyol de Sónia Matias (não, não a toureira mas a antiga lateral esquerda da selecção feminina). Regressou a Portugal em 2014 para defender as redes do A-dos-Francos e em 2015 mudou-se para o campeão Futebol Benfica, com o qual obteve títulos e onde permanece.

Jamila Martins Marreiros é uma das guarda-redes lusas. Fonte: Marca

Rute Costa

A mais jovem do trio de guarda-redes é Rute Costa (lê aqui a sua entrevista dada ao BomFutebol) e foi brilhante na temporada que realizou ao serviço do Sporting Braga, liderou a melhor defesa do campeonato e terá sido por certo a melhor guardiã da prova.

Aos 23 anos a famalicense não fica a dever às mais experientes companheiras de posto e será natural a sua ascensão até à titularidade num futuro próximo, continue a exibir-se assim no clube.

Depois de se iniciar na formação barcelense Casa do Povo de Martim, Rute mudou-se para o histórico do feminino, também, Boavista, e daí para outro clube tradicional do futebol feminino, o Clube Albergaria/Mazel, que trocou em 2016 por um retorno ao Minho, na estreia do Sporting Braga.

A melhor guarda-redes da Liga Allianz 16/17 foi Rute Costa. Fonte: Mundo dos Guarda-Redes

Um dos vídeos realizados pela comunicação do Sporting Clube de Braga na antecipação à final da Taça de Portugal Feminina Allianz.

Carole Costa

Outra minhota, também a iniciar-se na Casa do Povo de Martim, Carole Costa deverá ser uma das titulares no eixo defensivo lusitano, tem 27 anos, nasceu em Braga e alinha na Alemanha desde os 20.

Depois da formação de Barcelos, Carole esteve no Leixões, mas deixou-se fascinar pela melhor liga feminina do mundo, a alemã, primeiro no SG Essen-Schonebeck, onde permaneceu três épocas, de seguida no Duisburgo e desde 2015 está no Cloppenburg.

Carole não deixa os adeptos indiferentes. Fonte: lokalkompass.de

Vídeo retirado do canal youtube de Carole Costa

Matilde Fidalgo

Deverá ser a lateral direita da selecção. A primeira das várias meninas da ‘Geração Dourada’, a selecção que primeiro colocou o futebol feminino português numa fase final, na altura no Europeu de sub19 turco, em 2012.

Vídeo obtido no canal oficial da Federação Portuguesa de Futebol.

Prestes a concluir o mestrado, não abdicou ainda do ‘seu’ ‘Fófó’, onde é capitã. Aliás, nota-se que a liderança é uma das características da jovem lisboeta de 23 anos.

Uma das recentes ‘descobertas’ foi a relação de sangue entre Matilde Fidalgo e Bernardo Silva, primos em 3.º grau (ou algo parecido), situação bem trabalhada pela comunicação da Federação Portuguesa de Futebol, como este vídeo partilhado pela FPF demonstra.

Sílvia Rebelo

Ao lado de Carole é costumeiro estar Sílvia Rebelo. A central é oriunda de Gouveia, uma beirã portanto, iniciando-se noutra referência do futebol feminino português, a Fundação Dona Laura Santos, onde permaneceu até ao ano passado, altura em que se deixou convencer pelo projecto do Sporting Braga e se tornou ‘Gverreira do Minho’.

O Sporting Braga terminou em 2.º da Liga e finalista vencido da Taça, mas fechou a temporada com o melhor ataque e a melhor defesa, onde Sílvia teve acção preponderante.

Vídeo partilhado pelo canal oficial do Sporting Braga

Raquel Infante

A alternativa a Carole e Sílvia é Raquel Infante. A lisboeta de 26 anos é uma trota-mundos já e as constantes lesões que, infelizmente, a têm apoquentado não esmorecem o seu entusiasmo e amor ao ‘Belo Jogo’, recuperando a cada contrariedade para se apresentar ainda mais forte.

Depois do 1.º Dezembro, Raquel também emigrou para Espanha, esteve nas catalãs do L’Estartit, no Olivenza, passou pela liga italiana no Riviera di Romagna e no vizinho San Zaccaria, veio festejar novo título de campeã nacional, agora no Futebol Benfica, em 2015, rumou em 2016 à Finlândia para alinhar no Aland United e encontra-se presentemente no Levante.

Vídeo obtido no canal de Raquel Infante

Mónica Mendes

São oito as meninas da ‘Geração Dourada’ nestas 25 pré-chamadas e Mónica Mendes é uma delas. Natural de Almada, Mónica foi campeã nacional e internacional de karaté ainda antes de brilhar internacionalmente no futebol, que já comungava com a anciã arte marcial.

Depois de concluir o secundário rumou ao futebol universitário norte-americano, ao Texas, para estudar e jogar, licenciando-se em Educação Física pela Universidade de Texas Brownsville, ganhando imensos prémios enquanto lá esteve, quer pelas prestações nos relvados, onde chegou a fazer parte da melhor equipa do ano, quer pelos desempenhos académicos, galardoada aí também.

Terminado o percurso académico, Mónica regressou à Europa e já experimentou Chipre (Apollon Limassol), Noruega (Valerenga) e Suíça (FC Neunkirch). A jovem defesa de 24 anos fez história na formação helvética, que ajudou a conquistar uma inédita dobradinha em 16/17.

Aqui várias lusas e luso-descendentes videografadas pela estrela do belo jogo Yael Averbuch.

Mónica Mendes alinha em qualquer posição defensiva e mesmo como médio de cobertura, em caso de necessidade. Tem na polivalência uma forte arma.

Diana Gomes

Cláudia Lima e Diana Gomes seriam os dois nomes a pensar automaticamente como prováveis excluídas das 23, contudo as parcas escolhas para a linha defensiva podem colocar a jovem ‘jesuíta’ de 18 anos nas opções finais.

Depois de vários anos no Freamunde, Diana Gomes mudou-se em 2016 para o Valadares Gaia, isto quando recebeu o prémio de Revelação Feminino do Ano por parte da Liga Amadora Tv.

Diana Gomes tem apenas uma chamada à selecção principal, contudo já conta com várias presenças pelas selecções jovens, tendo feito parte da debutante presença da equipa nacional feminina de sub17 numa fase final, em Inglaterra no ano de 2014.

Dolores Silva

A silenciosa e discreta Dô é uma das mais geniais futebolistas que Portugal conhece. Sintrense, 25 anos, fez parte do 1.º Dezembro multicampeão, foram cinco campeonatos e quatro taças, se não nos falha a memória, antes de rumar à Alemanha… aos 20 anos (sim, venceu todos os troféus em Portugal antes dos 20 anos e estreou-se nas seniores do 1.º com uns 15/16 anos). O primeiro ano foi muito complicado no Duisburgo, uma rotura de ligamentos retirou-lhe a época, contudo não desistiu e permaneceu no país-maior do futebol feminino de clubes.

Em 2015 deixa Duisburgo e ruma a leste para reforçar os quadros do USV Jena, onde se mantém até este defeso. Dolores será reforço do Sporting Braga para 2017/18 – e que grande reforço para as minhotas.

Dô é a equilibradora do miolo luso, está nas dobras, está na primeira e segunda fases de construção, está nas marcações, tem enorme inteligência na leitura posicional e pezinhos de lã, mal se dá por ela mas é uma trabalhadora incansável.

Vídeo compilado pela TopBaller SM

Amanda da Costa

Foi uma enorme promessa do futebol norte-americano, filha de pais portugueses, o pai  nascido no Moçambique português, passou naturalmente pelo futebol universitário, tendo-se formado na Flórida em Gestão Desportiva, passando por momentos de menor fulgor na transição para o futebol ‘profissional’. Vem reganhando confiança aos poucos e a qualidade está lá, dos pés à cabeça.

Previa-se que chegasse à ‘Stars and Stripes’ depois de ser internacional jovem pelos EUA, mas tal acabou por não suceder, finalmente aceitando a chamada lusa para alinhar pela ‘pátria-mãe e pai’. Alinhou no Liverpool e em 2015 regressou aos EUA para fazer parte da NWSL, primeiro pelas Washington Spirit, depois pelas Chicago Red Stars, agora pelas Boston Breakers.

Entrevista da WUP Sports com a médio de 27 anos.

Fátima Pinto

Francisco Neto parece possuir uma veia ‘JJ’ e entende que a excelente médio madeirense Fátima Pinto será a melhor solução para a lateral esquerda, mesmo que as décadas do professor Nuno Cristóvão no futebol feminino não ofereçam a mesma visão e a jovem também parte da ‘Geração Dourada’ de 2012 preste e brilhe de forma superior no miolo, é de crer, pelas opções passadas do seleccionador feminino, que seja mesmo Fátima a opção na lateral esquerda.

De somente 21 anos, Fátima começou a alinhar na Apel do Funchal. Rumou ao ‘Continente’ em 2013 e sagrou-se campeã nacional pelo Ouriense, rumando de seguida à formação espanhola, fronteiriça, do Santa Teresa, onde o Sporting CP a resgatou para vir vencer o segundo título português – e segunda taça.

Com 21 anos, a médio madeirense ainda tem uma enorme margem de progressão e apresenta-se naturalmente como uma referência de futuro no futebol feminino luso.

Tatiana Pinto

Outro enorme talento do futebol português, mais uma jovem da ‘Geração Dourada’, ‘Tati’ mostrou-se primeiro no Clube Albergaria/Mazel, de onde saiu em 2013, aos 19 anos, fruto da crise que invadiu inúmeras famílias e levou os pais para a Suíça. Na Alemanha, não muito longe da fronteira helvética, encontrou espaço competitivo para continuar a crescer, quando já se temia uma grande perda para o futebol feminino. No SC Sand, ainda secundário, alinhou e esteve na subida do clube à Bundesliga, rumando de seguida à Bristol Academy inglesa, antes do regresso a Portugal como reforço do Sporting CP.

A bairradina tem muito talento nos pés e perfila-se como uma das potenciais sucessoras a Cláudia Neto, a corrente estrela-maior e motor ofensivo português.

Um vídeo de homenagem à médio

Andreia Norton

Da praia do Furadouro emergiu um talento tão fantástico que o Barcelona a veio buscar. Uma rotura de ligamentos ainda em fase de pré-temporada na Catalunha terminou o seu sonho, ali permanecendo mas sem conseguir a afirmação ou, sequer, o tempo de jogo que a poderia içar desde logo ao estrelato mundial.

A ‘Norton’, como é carinhosamente tratada, é a heroína do apuramento, com o mágico golo, era uma das benjamins da ‘Geração Dourada’ e apresenta-se como uma das mais fortes futebolistas de Portugal.

O Sporting Braga resgatou-a da Catalunha e a ‘vareira’ mostrou-se novamente na liga portuguesa.

Filha de um antigo futebolista brasileiro, Pingo (não o mais famoso, que passou por Sp. Espinho e FC Porto entre outros), que alinhou na Ovarense precisamente quando a jovem nasceu, em 1996, confirma na relva esses genes.

Foi no Cesarense que a jovem primeiro brilhou, aos 16 anos já era estrela da liga, depois de se ter iniciado na Oliveirense. Em 2013 trocou Cesar por Albergaria-a-Velha, onde passou duas temporadas antes da saída para o Barcelona. É uma craque em potencial.

Um dos vídeos do Sporting Braga para o neo-criado futebol feminino, este com realce à ‘Norton’.

Vanessa Marques Malho

Uma força da natureza, capaz de jogar em todas as posições do meio-campo e do ataque, a sua altura e fisionomia sempre a fizeram destacar-se perante as companheiras, é outra das meninas da ‘Geração Dourada’, uma das mais novas, como Fátima ou Andreia, acima notadas, de 1996, que chegaram a esse Europeu de 2012 com 15/16 anos.

Vanessa chegou a alinhar nas várias selecções portuguesas ao mesmo tempo, sendo das primeiras a dar o salto para a ‘AA’, já parece uma ‘veterana’ do futebol feminino, apesar de tão tenra idade, 21. Nascida em Lyon, criou-se no Minho e foi um dos reforços do Sporting Braga, para onde rumou oriunda do Valadares Gaia, que a tinha resgatado ao Vilaverdense.

Vanessa é claramente uma das futebolistas que pode fazer mais diferença no jogo, desde que bem posicionada – e isso parece ser ainda uma das grandes dúvidas, quer nos clubes, quer na selecção, onde se poderá potenciar mais o talento inato desta jovem luso-francesa. Só uma hecatombe (lesão) a retirará das 23 finais.

Vídeo do WUP Sports com Vanessa Marques.

Mélissa Antunes

A Mélissa dava uma peça só por si. Craque no futsal, o seu primeiro amor, craque no futebol de onze, craque no futebol de praia, chegou a ser chamada à selecção de relva quando já jogava, novamente, futsal em exclusivo, para se perceber a qualidade e capacidade individual de fazer a diferença. Depois de alguns anos apenas no futsal, Mélissa foi seduzida, a meio da temporada, pelo convite do Sporting Braga e regressou aos relvados, como profissional, e, claro, à selecção.

Mélissa Antunes é tudo isto e muito mais, uma estrela com a ‘redondinha’.

Nascida no Canadá francófono, Mélissa tem 27 anos e foi das que se iniciou no futebol mais cedo, aos nove anos no Fair Play de Guimarães, passou por Merelinense, Maria da Fonte, Gualtar, Mogege e Santa Luzia, estes sempre em pavilhão, até ‘aterrar’ em Braga.

Além da qualidade em estádio, areal ou pavilhão, Mélissa é uma pessoa extraordinária, reconhecida pela sua sempre presente solidariedade – ainda que várias outras jovens deste naipe também o sejam, note-se. Apresenta-se em várias ocasiões na linha da frente pelo apoio aos mais necessitados, seja por enfermidades, por calamidades, por problemas laborais, é alguém que vale a pena conhecer e que também não deverá falhar o Europeu. Foi chegar, ver e vencer novamente no futebol de 11.

Vídeo do Canal Superior com Mélissa.

Cláudia Neto

A capitã, sucedeu com valor as ‘eternas’ Carla Couto e Edite Fernandes e é claramente a melhor jogadora portuguesa da actualidade, a alinhar na liga sueca, onde disputa os títulos com o Linkoping.

Natural do Algarve. a lacobrigense tem 29 anos e está fora de Portugal desde 2008, altura em que deixou o Algarve para rumar ao Prainsa Saragoça, onde permaneceu até 2013, já sob o nome Transportes Alcaine, ainda esteve no Espanyol, com Sónia Matias, antes de rumar à Suécia e ao Linkoping, onde se tem fortalecido e ganhado a projecção que possui neste momento.

A médio tem alinhado na selecção numa posição mais ofensiva face ao clube, ultimamente até tem sido experimentada, ainda que não durante todo o encontro, como ‘ponta’, tendo duas jogadoras na frente a abrirem mais ao flanco e Cláudia a surgir em zona de finalização, tirando partido do seu forte remate.

A FPF foi às raízes da capitã, um vídeo intimista que vale a pena ver, para conhecer a futebolista

Cláudia Lima

Com 20 anos, a portuense que passou do Leixões para o Boavista em 2015 é provavelmente a grande surpresa das 25 nomeadas por Francisco Neto e é igualmente o ‘elo menos forte’ do naipe, devendo ser uma das sacrificadas, passando esta chamada por certo como preparação para futura integração na selecção ‘AA’.

Cláudia Lima reforçou o Boavista em 2015. Fonte: Portal Futebol Feminino em Portugal

Suzane Pires

Neta de portugueses, Suzane Pires foi uma das mais recentes descobertas para a selecção. A luso-brasileira alinha agora no Santos, depois de ter passado alguns anos no futebol universitário e, depois, profissional norte-americano.

Ana Borges

Uma das craques portuguesas, alinha nas alas em qualquer lugar, seja como extremo, seja como lateral, mas durante anos foi a jogadora que mais diferença fez na selecção, tem drible curto, velocidade, quebrou um pouco nos índices de confiança nesta passagem inglesa, mas a cedência ao Sporting CP no início de 2017 pode tê-la revigorado. Portugal necessita de uma Ana Borges desafiante, ousada e que não receie fazer 1×1 e desbaratar as oponentes, particularmente as britânicas.

Francisco Neto também já a experimentou na lateral esquerda, um claro desperdício do talento ofensivo da beirã, que encaixa bem com Jéssica Silva na dianteira, abrindo ambas nos flancos para a entrada de nomes como Cláudia Neto, Vanessa Marques, Amanda da Costa, Andreia Norton ou Tatiana Pinto, entre outras.

Foi na Fundação Dona Laura Santos que a tímida Ana Catarina se iniciou, rumando posteriormente ao ‘português’ Prainsa Saragoça, onde esteve ao lado de Jamila Martins, Cláudia Neto e Edite Fernandes, acompanhando depois a antiga capitã na aventura californiana pelas Santa Clarita Blue Heat. Em 2013 mudou-se de Saragoça para Madrid, alinhando no Atlético e em 2014 rumou a Londres para reforçar o Chelsea, onde já venceu uma liga inglesa.

Jéssica Silva

Outro talento inato, outra craque da ‘Geração Dourada’, rumou bem cedo à Suécia, ao mesmo tempo que Cláudia Neto e na mesma formação, deixando o Clube Albergaria/Mazel por essa aventura, contudo foi pouco utilizada, estranhamente face ao seu talento natural para desequilibrar, regressando no ano seguinte a Portugal.

Alentejana da bela Milfontes, Jéssica é filha de um antigo futebolista do Belenenses, que faleceu precocemente, tinha ela somente dois anos. Mudou-se para Águeda ainda criança e é por esses lados que começa no futebol federado, no Ferreirense, que troca pelo Clube Albergaria/Mazel quando adolescente.

As ambições continuam enormes, como atesta em recente entrevista dada ao Expresso, quer alinhar na liga alemã, quer ser vista como das melhores do mundo, e recuperou da grave lesão que a apoquentou na época. Não pôde estar no play-off, mas será uma certeza da fase final, onde até pode brilhar ao ponto de deixar as minhotas para nova aventura no estrangeiro, agora com 22 anos, ainda bem jovem, contudo mais madura.

Alguns momentos de uma das craques portuguesas

Laura Luís

A outra madeirense do grupo, dianteira, rumou aos EUA com Mónica Mendes, mas ao contrário da almadense Laura não se adaptou e regressou a Portugal, optando depois por prosseguir carreira na Alemanha.

Depois de Marítimo, Laura Luís foi companheira de Dolores Silva no Duisburgo e no Jena, mantendo a companhia  de Dô para a próxima temporada, ambas a reforçarem os quadros do Sporting Braga.

Alguns momentos da madeirense num vídeo da TopBaller SM

Ana Cristina Leite

Nascida na Alemanha, Ana Leite tem toda a formatação futebolística germânica, o que é excelente para as hostes lusas. Tem 25 anos, passou por Duisburgo, SG Essen-Schonebeck, Borussia Monchengladbach e Bayer Leverkusen, onde alinha actualmente, é uma das opções para a frente de ataque.

Carolina Mendes

Outra trota-mundos do futebol português é Carolina Mendes, a ‘9’ da equipa nacional. Aos 29 anos a alentejana de Estremoz já alinhou em Espanha, Itália, Rússia e está na Islândia.

Carolina passou pelo Eléctrico de Ponte de Sor, pelo Estrela Portalegre, Ponte Frielas, 1.º Dezembro, partilhou balneário depois com Raquel Infante no L’Estartit, no Olivenza e no Riviera di Romagna, seguiu depois para o campeão russo Rossiyanka, que trocou em 2016 pelo sueco Djurgarden e está agora no Grindavik.

Diana Silva

A outra avançada, mais uma elemento da ‘Geração Dourada’ de 2012, é Diana Silva, agora no Sporting CP, que brilhou no Ouriense, onde catapultou a equipa para a 1.ª Divisão e para os inesperados títulos, trocando Ourém por Albergaria-a-Velha em 2015 e regressando a Lisboa para o projecto leonino em 2016.

Diana Silva foi uma das melhores marcadoras da Liga Feminina Allianz com 31 tentos apontados algo a que já está habituada, golos, golos, golos.

Entrevista do Portal de Futebol Feminino em Portugal à jovem avançada há um par de anos

 

O apuramento já foi um feito histórico enorme e nada mais pode ser exigido às jovens portuguesas, salvo darem tudo pela camisola nacional, honrarem o país, como logicamente vão fazer, estes são os alicerces para um fortalecimento da presença do futebol feminino português em termos internacionais e o Bom Futebol deseja sorte e que usufruam ao máximo esta oportunidade.

Deixe o seu comentário

bomfutebol