-- ------ Kana(zaki) de Mu repesca o título - Bom Futebol
Bom Futebol

Kana(zaki) de Mu repesca o título

Kana(zaki) de Mu repesca o título

Mu Kanazaki celebra o golo vitorioso do Antlers em Sapporo. Fonte: The Japan Times

Mu Kanazaki volta  a ser preponderante e dá triunfo ao Antlers no norte. Frontale recupera em Kashiwa, mas não vai além do empate. Kawamata abate F Marinos. Albirex continua a adiar descida imediata. Cerezo Osaka é agora o dono do bronze. Luta pela qualificação continental tem tetra ao rubro. Bom Futebol em excesso de velocidade é marca registada da Meiji Yasuda J1 League.

Classificação da Meiji Yasuda J1 League. Fonte: sítio oficial da JLeague

Consadole Sapporo 1-2 Kashima Antlers

Foi num palco nocturno e bem iluminado que o campeão passou novo teste complicado e voltou a alargar vantagem sobre o perseguidor. Mu Kanazaki, o avançado que brilhou no Portimonense para Portugal ver, tornou a ser um futebolista decisivo no Antlers, marcou o golo da vitória, um triunfo suado mas vital na vontade de renovar a conquista.

Mu apresentou a primeira ameaça, com boa resposta do sul-coreano Gu nas redes da casa.

Uma perda de bola infantil de Yokoyama permite novo ataque perigoso ao Kashima Antlers, Bom Futebol do campeão, sempre com Mu bem presente, jogada maravilhosa e é novamente Gu a manter o resultado em branco, ajudado por Miyazawa.

Em forma, Jay Bothroyd desperdiçou soberana ocasião para marcar pelo Consadole Sapporo.

Enquanto o Consadole equilibrava as operações, o Kashima Antlers continuava a provocar Gu, a voar para negar a Misao o tento, era um golo de levantar o estádio, foi-o a parada.

Descanso com tudo em branco, mas uma primeira metade frenética.

Mu Kanazaki estava endiabrado. O avançado campeão consegue reter a bola, com tabelas nas pernas dos adversários pelo meio, face a um círculo de quatro oponentes, vai ao chão, finalmente a bola fica solta e é Misao a surgir letal para o 0-1. Depois do ameaçador remate perto do intervalo, o jovem marcava mesmo. A segunda parte abria com vitória parcial dos campeões e Mu a demonstrar toda a sua importância ofensiva.

Gu seguia a brilhar e impedia o lateral Nishi de aumentar o avanço.

Aos 59 minutos Hyodo entrava no relvado. Canto de Fukumori, alívio de Mu Kanazaki de cabeça e Hyodo, apenas segundos depois de estar em acção, empatava com uma conclusão de enorme classe! Que beleza para o homem de Nagasaki.

Demoraram 10 minutos a voltar a ganhar vantagem, boa combinação, mais uma, e Mu Kanazaki fecha o resultado para o Kashima Antlers. Uma vitória vital na procura de nova liga.

Kashiwa Reysol 2-2 Kawasaki Frontale

Depois da recuperação nas recentes semanas, o Frontale pode ter dito definitivo adeus ao campeonato na ronda 31. A saída era das mais complicadas, o Reysol joga Bom Futebol e está na disputa do pódio, o derradeiro lugar que oferecer qualificação para a Liga dos Campeões Asiáticos.

Num relvado pesadíssimo, fruto das fortes chuvas que varreram a região, ambas as formações procuraram jogar, ainda assim, na sua ideia positiva, apoiado.

Naturalmente, face ao estado do relvado, os remates de média e longa distância foram prato da casa, literalmente, com o Reysol a tentar por várias ocasiões surpreender Arai.

Porém, o intervalo chegava e tudo se mantinha a zero.

O relvado levou ao erro defensivo do Frontale e os brasileiros Cristiano e Ramon Lopes combinaram para o 1-0 logo no recomeço.

Depois de abrir o marcador, Ramon Lopes segura perto da bandeirola de canto e descobre o outro ‘canarinho’ do clube, Diego Oliveira, que aponta o 2-0. Aos 52 minutos o Reysol estava no pódio novamente. O Frontale, contudo, via o Antlers a fugir.

Prosseguiam as falhas defensivas, o calcanhar de aquiles da liga nipónica, e o Frontale desperdiçava uma oportunidade para reduzir.

Acordava o Frontale perante a desvantagem, mas a pontaria parecia desafinada.

Uma jogada fantástica reduz para 2-1 o resultado. Bola na esquerda para Ienaga, o antigo médio dos espanhóis do Mallorca retém o esférico, simula uma, duas, dá no lateral esquerdo Kurumaya, que centra com conta, peso e medida para Chinen entrar acrobaticamente e cabecear com sucesso.

A esquerda ofensiva do Frontale estava perfeita. Já com Ienaga substituído é Kengo Nakamura a descair no flanco, combinar com Kurumaya e este soma a segunda assistência do encontro, desta feita para Kobayashi concluir, 19.º tento do dianteiro do Frontale, em luta clara pelo título de melhor marcador da prova.

Cerezo Osaka 2-1 Omiya Ardija

Esperava-se uma vitória mais confortável para o recém-regressado e surpresa de 2017, Cerezo Osaka. A equipa conquistou o mais importante, os três pontos e, face aos resultados dos concorrentes, voltou a entrar nas posições de apuramento para a Liga dos Campeões da AFC.

Apesar de um relvado visivelmente pesado, o Cerezo Osaka manteve a ideia de jogo, bola no chão, toque curto, boas combinações e apenas Kato impediu um golo matutino aos da casa.

Antes dos 20 minutos, uma disputa no relvado, com muita água e cotovelos à mistura, é entendida como agressão e Mateus é expulso no Omiya Ardija. A missão do penúltimo tornava-se ainda mais hercúlea.

Carregava a equipa da casa e um canto de Souza vê Kikuchi antecipar-se ao seu guarda-redes e dar na própria baliza. O Cerezo Osaka marcava finalmente.

Kato, mesmo ‘traído’ pelo companheiro, continuava a brilhar nas redes forasteiras. Sucediam-se as defesas de valor para o guardião do Omiya Ardija. Caso a equipa desça o guarda-redes poderá ser um dos que se manterá no escalão.

Um canto comprido e não aliviado de Maruhashi, já no decorrer na segunda metade, encontra na perfeição o ex-Basileia Kakitani, que remata pujante para o 2-0. O Cerezo Osaka via-se novamente no pódio da liga.

Jonjic tem um mau alívio e o resultado fixa-se em 2-1. Apesar disso, o Cerezo vence e prossegue na disputa pelo lugar continental.

Jubilo Iwata 2-1 Yokohama F Marinos

Sem contar mais com Hugo Vieira, face à lesão na zona ligamental dos joelhos, o F Marinos foi derrotado na visita ao Jubilo Iwata de Nakamura. Este resultado baixa os visitantes para 5.º lugar e mantém o sonho dos anfitriões na conquista da 3.ª posição.

Este foi mais um encontro sob signo de forte chuva.

Ito desperdiça a primeira ocasião, sem marcação na pequena área cabeceia ao lado. Aos três minutos o F Marinos perde a oportunidade de se adiantar.

Bola parada frontal, a uns 25 metros e Nakamura também atira ligeiramente ao lado.

Uma saída de bola pelo chão prende-se no relvado, o F Marinos recupera, força e ganha uma grande penalidade. Kaminski antecipa e voa bem para defender o remate de Ito, a bola sobra contudo novamente para o avançado, que agora não falha. O F Marinos tomava a dianteira na visita ao rival.

Kawamata mostra-se um avançado soberbo. Recebe à entrada da área, sabe segurar, não perde o domínio, roda, bate e Iikura parece lento a reagir. Aos 40 minutos voltava a estar tudo igualado.

Aos 51 minutos Nakamura engana Iikura e a barreira do F Marinos, bola rasteira… parada pelo poste! O mágico nipónico não ia marcar neste desafio.

Pressão alta do Jubilo Iwata, Kawamata novamente a mostrar como deve agir um ponta-de-lança, atrapalhação clara no último reduto do F Marinos, Iikura perdido, assistência de Adailton e o ‘tanque’ japonês a bisar para a remontada do Jubilo Iwata.

Sanfrecce Hiroshima 0-1 Urawa Reds

Já em modo ‘final’, o Urawa Reds deslocou-se ao terreno do ainda aflito Sanfrecce Hiroshima e causou os primeiros calafrios à baliza de Hayashi. Os de Hiroshima necessitavam de pontos para sair da zona de descida.

Algumas oportunidades, no entanto sem sucesso para qualquer dos lados no primeiro período.

A lesão de Aoyama, substituído aos 39 minutos, acabou por ser o mais relevante antes do descanso.

Uma jogada bem gizada vê o esférico chegar ao lateral Endo, este centra sobre a linha final e surge – sem deixar a bola cair – Nagasawa a finalizar com sucesso. Aos 60 minutos o Urawa Red Diamonds estava na frente, um resultado que não mais seria alterado.

Ventforet Kofu 2-3 Vissel Kobe

Outro emblema bem aflito é o Ventforet, que na recepção ao Vissel acabou derrotado, com o japonês-holandês Mike Havenaar a bisar nos visitantes, encontro marcado por uma baixíssima assistência, anormal para a Meiji Yasuda J1 League, mas o mau desempenho da equipa da casa e o mau tempo afastaram os espectadores.

Foram os da casa a causarem o primeiro apuro.

Koide ganha, acelera, dá no avançado Kurogi, que assiste o parceiro Lins. Antes dos 20 minutos o Ventforet estava na frente do marcador.

Respondeu o Vissel Kobe, centro de Watanabe na direita e Havenaar voa sobre a marcação para igualar aos 33 minutos.

Koide esteve em grande, o lateral direito já havia iniciado a jogada do tento inaugural e logo no começo da segunda metade assiste Takano para nova vantagem do Ventforet. A equipa sonhava em ganhar almofada sobre a zona de descida.

Um absurdo de Arai, ainda por perceber o que queria fazer, vê-o proteger a bola quase até à linha da sua baliza, desarmado aí para o 2-2 por Otsuki. Não se pode ter este desajuste, com o guarda-redes ainda longe, o relvado molhado, o médio tinha mesmo é que aliviar a bola.

Havenaar, na sua altura, cabeceia para o 2-3 depois de um passe soberbo para Ogawa e este a centrar de forma precisa para o goleador internacional japonês dar a vitória aos visitantes.

Albirex Niigata 1-0 Sagan Tosu

Condenado à descida há algum tempo, o Albirex Niigata continua a adiar o inevitável. Desta feita vitória sobre o Sagan Tosu e os nove pontos que estão por disputar são a distância que o último tem para a linha de salvação.

Foi já no decorrer do segundo tempo que Koizumi apontou aquele que se verificaria como único tento da partida.

Gamba Osaka 1-1 Vegalta Sendai

Sem preocupações na tabela, Gamba e Vegalta jogaram o jogo-pelo-jogo e Nagasawa cabeceou com sucesso para vantagem caseira aos 20 minutos.

A resposta foi imediata e a jogada do Vegalta Sendai é linda, com a conclusão de Okuno.

Surgiram mais oportunidades para ambos os lados, contudo não mais se alteraria o desfecho deste encontro.

FC Tóquio 0-0 Shimizu S-Pulse

FC Tóquio e Shimizu anularam-se, em mais um desafio sob signo de forte chuva.

Para os da capital foi a confirmação do que já tinha como quase certo, a manutenção. No caso do S-Pulse foi um ponto importante, aproveitando a derrota de quatro concorrentes e ganhando uma vantagem de quatro pontos para a linha de despromoção.

Deixe o seu comentário

bomfutebol
Cópia não permitida! Conteúdo protegido por direitos de autor.