-- ------ Kristoffer Olsson – Talento Nórdico - ProScout - Bom Futebol
Bom Futebol

Kristoffer Olsson – Talento Nórdico – ProScout

Kristoffer Olsson

Kristoffer Olsson – talento nórdico

Num futebol nórdico tradicionalmente dominado por futebolistas com enorme portento físico e nem tanto para a qualidade técnica e QI dentro de campo – embora, como para tudo, haja exceções, veja-se o caso dinamarquês de Eriksen ou o sueco para Emil Forsberg -, um novo talento com escola inglesa começa a emergir no panorama do futebol sueco, embora o talento ainda não lhe tenha dado uma tão merecida chamada regular (1 internacionalização até ao momento) à seleção principal do país, orientada por Jan Andersson. Eis, portanto, Kristoffer Olsson, número 7 do AIK.

Terminando a sua formação no Arsenal, onde tão óbvias comparações com Fredrik Ljunberg lhe foram apontadas (mais do que ser apenas um sueco que jogou pelo mesmo clube do outrora ídolo dos Gunners, a sua qualidade técnica, rapidez de execução e QI futebolístico valeram-lhe as justas comparações), Olsson teve uma acessível adaptação ao futebol sénior onde, apesar de não ter feito qualquer minuto na Premier League, acabou por encontrar o seu ritmo no Midtjylland, clube dinamarquês onde acabou por ser campeão do país em 2015, o mesmo ano em que sagrou campeão europeu de sub-21 pela Suécia, numa final de má memória para Portugal.

Sobre a inovadora filosofia do moneyball de Rasmus Ankersen, onde cálculos matemáticos definem as probabilidades de vitória e definem a estratégia da equipa para determinado jogo, Olsson evoluiu como jogador com os pés e com a cabeça, sendo que na sua segunda e terceira (onde fez apenas metade da temporada, até ser transferido para o AIK em janeiro) foi um indiscutível para Glen Riddersholm. A mudança para a Suécia seria a sua primeira experiência profissional no seu país de origem, uma experiência que se está a provar extremamente rica até ao momento, tendo já inclusive a oportunidade de disputar a Liga Europa, onde se bem se recorda, a formação viking só caiu aos pés do Sporting de Braga no prolongamento de forma dramática.

O talento de Kristoffer Olsson

Falando do seu talento dentro dos relvados, Olsson distancia-se um pouco do protótipo do típico futebolista nórdico. Entre as certezas e as promessas (vejam-se os casos de Gylfi Sigurdsson, Emil Forsberg, Martin Odegaard ou Thomas Delaney), cada vez se denota uma maior tendência para jogadores nórdicos se afirmarem pela técnica em vez do físico. E Olsson acaba por ser o exemplo perfeito neste cenário. Não sendo propriamente frágil em termos de disputa de bola, algo que faz sem receio, é com os pés que se destaca de forma clara. No panorama do campeonato sueco, lá está, de maior cariz físico, como acontece com os restantes campeonatos nórdicos, acaba por ser uma lufada de ar fresco com a sua qualidade de passe e rapidez de reação e execução, algo que o típico futebolista nórdico tem de melhorar.

Capaz de executar posições mais avançadas no terreno, como fazia no Midtjylland, é a 8 que melhor joga, uma posição que tem desempenhado na perfeição no AIK junto de Simon Thern, também sueco, no miolo da formação de Estocolmo. Mais do que uma grande capacidade de circular a bola no último terço, é de relevar não só a facilidade e frieza que possui a finalizar, mas também – e especialmente isto – a sua fenomenal habilidade nas bolas paradas, onde é o habitual cobrador de livres do AIK.

O Registo no Allsvenskan (Campeonato Sueco)

Num campeonato sueco que se aproxima do seu término, já conquistado pelo hegemónico Mälmo, a qualidade de passe e visão de Olsson valeram-lhe 6 assistências em 26 jogos, juntando esse belo registo a outros 2 golos. A verdadeira questão acaba por ser se Kristoffer terá ou não a capacidade de se ambientar a outro campeonato que não o sueco ou, melhor dizendo, a outra realidade que não a do futebol nórdico. E, não dependendo tanto da componente física no seu futebol como alguns dos seus compatriotas, a sua qualidade seria uma bela adição a qualquer campeonato europeu de qualidade superior.

Os 22 anos de Olsson são outro fator determinante numa hipotética aquisição de outro clube europeu. Terminando a sua 3ª época como sénior, é notória a sua evolução desde os seus primeiros meses como jogador do Midtjylland, notando-se um jogador mais capaz especialmente no que toca no conforto que denota dentro de campo, mas especialmente no ritmo que imprime ao jogo (não confundir com velocidade, porque essa sempre a teve, revelando-se ao longo da sua carreira como outro dos seus pontos fortes).

Kristoffer Olsson: O Andrea Pirlo Sueco

Possuindo então uma grande qualidade de passe, assim como visão de jogo e rápida execução de processos, Olsson é um jogador cada vez mais completo e um talento verdadeiramente singular no panorama do futebol nórdico, por todas as características que possui. Dotado de uma adaptabilidade acima da média, assumiu a batuta no AIK em vários sistemas táticos, incluindo o 4-4-2 (onde era o médio mais recuado, com Stefan Ishizaki a assumir o 10) e, num passado mais recente e de forma mais habitual, o 3-5-2 onde é, de forma inevitável, quem mais ataca e faz mexer o último terço do AIK.

Há quem o faça de uma espécie de Andrea Pirlo sueco pela sua óbvia capacidade de passe e visão, mas Kristoffer Olsson acaba por ser o primeiro da sua espécie. Um nórdico que tem pouco de nórdico a não ser, em todo o caso, a frieza e a assertividade com a bola nos pés.

Autoria: Luís Barreira (ProScout)

Deixe o seu comentário

bomfutebol