-- ------ Rússia 2018 - Tite a 100 porcento - Bom Futebol
Bom Futebol

Rússia 2018 – Tite a 100 porcento

O Brasil de Tite soma o oitavo sucesso seguido na qualificação sul-americana rumo ao Mundial 2018, o gaúcho ainda não conhece outro resultado e o jogo no Centenário de Montevideu foi de classe para a ‘canarinha’. A cinco rondas do término do apuramento directo para os sul-americanos, apenas o Brasil está tranquilo e Bolívia e Venezuela fora da ida à Rússia

A tabela de apuramento rumo à Rússia 2018 na CONMEBOL. Foto obtida no sítio oficial da Confederação Sul-americana de Futebol: www.conmebol.com

Barranquilla foi o palco do primeiro desafio desta jornada 13 de qualificação, com a Colômbia a receber a Bolívia e apesar de os de Pekerman terem tentado afincadamente ultrapassar Lampe, a vitória revelou-se bem custosa. A estrela James Rodríguez, de longe o mais rematador dos ‘cafeteros’, acabou por ser novamente decisiva e apontar o único tento da partida, mantendo a Colômbia na zona de qualificação directa.

Foi mais rematador o Equador, teve mais posse de bola, revelou-se superior na comparação directa com o anfitrião Paraguai, contudo os ‘guaranis’ foram mais eficazes e numa jogada desenvolvida pela esquerda, a envolver Almirón, Junior Alonso e Santander, com o canhoto ‘Dogue’ a concluir da melhor forma para o, à altura, 2-0, isto depois do também defesa Valdez ter aberto a contagem logo aos 11 minutos.

O melhor que o Equador conseguiu foi amenizar a derrota depois da concretização bem-sucedida de Caicedo da grande penalidade a favor da ‘Tri’ aos 65 minutos.

Com este triunfo o Paraguai passa a somar 18 pontos e prossegue no encalço dos lugares qualificativos. O Equador caiu para a 5.ª posição, vaga que obrigará a um play-off intercontinental com o 5.º posicionado da AFC.

À mesma hora de Assunção, em Montevideu o Brasil passeava-se perante um Uruguai sem Luis Suárez, suspenso por acumulação de amarelos. Cavani até deu a primeira vantagem aos ‘charruas’, contudo o Brasil de Tite não parece vacilar e com um Paulinho perto da perfeição, sob a égide do técnico gaúcho, e o Neymar habitual, foi um rolo compressor a chegar até aos 1-4, com o jogador que há uma década alinhava na liga lituana e que foi Tite a ‘descobrir’ e potenciar no Corinthians, lançando-o para a selecção e para a liga inglesa, agora tendo-o como vértice ofensivo na meia direita, adiante de Casemiro, e o agora ‘chinês’ a responder da melhor forma e 100 porcento eficaz como Tite, três remates à baliza, três golos!

Distancia-se a formação brasileira na liderança, com uma margem de 10 pontos sobre o 5.º quando faltam 15 pontos para disputar, ou seja, na próxima jornada pode, através de uma conjugação de resultados, até garantir o apuramento desde já. Os brasileiros recebem o Paraguai, enquanto o Equador acolhe a Colômbia e o Chile recebe a Venezuela. Mesmo que não se apure matematicamente, só uma hecatombe tirará o Brasil do registo perfeito de presenças em fases finais do Mundial de futebol.

Bauza continua a não ter uma Argentina convincente. Apesar dos ‘albicelestes’ terem sido ligeiramente superiores ao Chile, apenas um golo, de grande penalidade, por Messi decidiu o duelo, onde Romero ainda causou alguns sustos aos companheiros e Alexis Sánchez merecia que aquele livre, demasiado perfeito, tivesse entrado ao invés de bater estrondosamente na barra.

Com este triunfo a Argentina volta a entrar na zona de apuramento directo, ultrapassando o adversário directo da ronda, Chile, e o Equador, mas terá de fazer mais sob pena de terminar com novo dissabor. Continua a faltar um melhor colectivo e ajuste entre futebolistas. Mascherano como médio é algo a questionar, pois é um elemento que se perde no processo ofensivo. Sem Dybala, que traz uma genialidade por si só e pode libertar mais Messi, e prosseguindo uma equipa de altas individualidades mas sem o potenciarem colectivamente, esta Argentina roça a banalidade.

Pensar que ainda há Icardi, um futebolista que talvez encaixasse melhor com Messi do que Higuain, e outras soluções ofensivas, contudo a selecção argentina produz tão pouco – para o naipe de elementos – que entedia só de ver. Tem que fazer mais.

Venezuela e Peru encontraram-se em Maturín, numa altura em que os ‘Vinotinto’ parecem regredir um pouco na sua clara evolução competitiva dentro do contexto sul-americano, terminando o encontro empatados a dois.

O central malagueño Mikel Villanueva abriu a contagem para a equipa da casa aos 24 minutos e outro jovem da nova geração, Otero, criativo do Atlético Mineiro, dobrou o avanço antes do intervalo. Um remate de bem longe, com o guardião Gallese, neste encontro muito inseguro, a comprometer.

Tudo parecia encaminhar-se para o segundo triunfo venezuelano na qualificação, mas logo a abrir o segundo tempo o ex-sportinguista e hoje benfiquista Carrillo reduziu para 2-1, relançando o confronto. O eterno Guerrero, com uma tremenda sustentação, cabeceou com sucesso aos 64 minutos para igualar a dois, resultado com que fechou a partida. A Venezuela fica matematicamente impedida de chegar directamente ao seu primeiro mundial.

Autor: António Valente Cardoso

Deixe o seu comentário

bomfutebol
Powered by Live Score & Live Score App