-- ------ SL Benfica 3 vs Napredak 0 - Jogo de preparação - Bom Futebol
Bom Futebol

SL Benfica 3 vs Napredak 0 – Jogo de preparação

SL Benfica 3 vs Napredak 0 – Jogo de preparação

 Jogo de estreia do Torneio Internacional do Sado onde o Vice Campeão Português defrontou no Bonfim o sétimo classificado do campeonato sérvio.

Os Encarnados tomaram todo o jogo apesar da maior preparação do Napredak, que começa o seu campeonato daqui a uma semana e poucos dias.

Primeira Parte

O Benfica dominava sem qualquer ousadia Sérvia no primeiro ensaio da época para os pupilos de Rui Vitória e logo um espelho do que vai ser 80% época com constante ataque posicional e lidar com blocos baixos. O Napredak mostrou não ter argumentos para fazer melhor frente ao Benfica apesar da sua preparação de época mais avançada.

O Benfica entrou em campo com o seguinte 11: Svilar, André Almeida, Conti, Jardel, Grimaldo, Fejsa, Gedson, Pizzi, João Felix, Rafa, Castillo. Havia a dúvida se os Encarnados iriam entrar numa espécie de um falso 4-4-2 com João Félix nas costas de Castillo e Pizzi encostado à direita ou no 4-3-3 privilegiando menos João Félix.

O Modelo tático que revolucionou a época passada a equipa da Luz e colocou-os novamente na luta pelo título foi o escolhido para iniciar a partida, no entanto a equipa neste modelo de 4-3-3 desdobrou-se muito em momento ofensivo num 4-2-3-1 numa dinâmica muito interessante entre Gedson e Félix, fazendo constantes trocas posicionais e colocando João no seu habitat natural jogando muito por dentro.

Em momento defensivo os Encarnados formavam um 4-4-2 com Pizzi junto a Castillo. Aos 12minutos Rafa, com o pormenor técnico delicioso passa pelo defesa e coloca a bola em Castillo que chega atrasado. O Benfica chega à vantagem aos 18 minutos num momento de Castillo a fazer lembrar Mitroglou, arranja espaço e “lá vai bomba”. Aos 22 marcava Jardel elevando-se num cruzamento vindo de Grimaldo. Aos 41m o Capitão Jardel voltava a marcar, Pizzi bate o canto e o brasileiro consegue cabecear sem ter de se elevar com muita incapacidade dos sérvios neste capítulo.

Intervalo

Revolução Total 11 por 11 Mudança táctica: o 4-3-3 dava lugar ao 4-4-2 conciliando na frente duas das maiores estrelas do clube, Ferreyra e Jonas. A equipa vinha com: André Ferreira, Alex Pinto, Lema, Lisandro, Yuri Ribeiro, Alfa Semedo, Keaton Parks, Heriberto, Cervi, Ferreyra e Jonas. A equipa, apesar de não ter conseguido chegar ao golo, entrou mais pró-ativa e enérgica do que a equipa do 1º tempo.

Heriberto jogou descaído à direita fazendo movimentos para dentro aparecendo em zonas de finalização quando Ferreyra arrastava marcações. Jonas, como era esperado, jogou mais recuado ligando jogo. Dinâmica muito tradicional, Cervi também muito por dentro e Yuri e Alex Pinto muito projectados, com Alfa Semedo no papel de Fejsa (muito bem posicionado sendo o jogador equílibrio da equipa estacando o contra-ataque adversário).

O Benfica teve várias oportunidades – 47m Ferreyra quase chega ao cruzamento de Heriberto; 51m Cervi remata forte e na recarga Ferreyra cabeceia para boa intervenção do GR do Napredak; 58m Lema, mostrando que gosta de aparecer para marcar golos, cabeceia a bola à barra; 66m Heriberto aparece a finalizar depois de um grande passe de Jonas mas atira por cima; 67m Ferreyra a responder ao canto e atira ao poste; 90m Ola John a fazer lembrar os velhos tempos num momento desequilibro e de seguida a cruzar para Ferreyra que não conseguiu estrear-se a marcar pelo Benfica – mas não conseguiu apontar mais nenhum golo.

Jogo

Jogo tradicional de início de época a revelar que há “arestas a limar”, no entanto, a equipa de Rui Vitória vai ter que estar pronta em menos de 1 mês para completar o primeiro objetivo da época que assegura 42Milhões e a presença na Liga dos Campeões. A reação à perda da bola razoável, sem ser ainda perfeita pois em 1/2 ocasiões a pobre equipa Sérvia conseguiu sair a jogar chegando perto da área do Benfica. O Nível de jogos vai subindo aos poucos acabando com a presença na Internacional Champions Cup (onde vai defrontar a Juventus de Cristiano Ronaldo) e com a Eusébio Cup contra o Lyon.

Imagem 1 – Alfa Semedo a vestir a camisola do SL Benfica

Jogador a Jogador:

Mile Svilar: Praticamente sem trabalho tendo feito apenas uma saída mostrando bom controlo da profundidade (aquilo que é uma das suas principais valias)

André Almeida e Grimaldo: Apesar da liberdade e das poucas tarefas defensivas, os laterais do Benfica tiveram dificuldades em sobressair,falhando muitos passes.

Jardel: Capitão. Jogo Seguro sem preocupações e 2 golos.

Conti: Jogo que não deu para ver como é defensivamente mas mostrou boa capacidade na construção de jogo.Jogou ao lado de Jardel para ganhar segurança.

Fejsa: Sem grande trabalho.

Gedson: Mostrou trabalho, muito forte na pressão e recuperação da bola sendo muito polivalente dando boa dinâmica ao ataque.

Pizzi: Sem grande irreverência

João Félix: Não fez o melhor jogo perdendo muitas vezes a bola e não conseguindo desequilibrar no 1×1 mas mostrou alguns lampejos de qualidade.

Rafa: Muito rápido na condução da bola e com bons pormenores técnicos.

Castillo: Ainda desentrosado da equipa, falhando muitos passes mas a fazer jus ao que se esperava dele, quando encontra espaço é letal.

André Ferreira: Mostrou-se a bom nível, fazendo boas saídas e uma grande defesa, se mantiver o nível deverá mesmo ficar com o lugar no plantel.

Alex Pinto: Muito nervoso, que não lhe permitiu mostrar a sua qualidade, falhou vários passes.

Yuri Ribeiro: Muita vontade, mas também não foi muito feliz, não conseguiu se envolver bem no ataque

Lema: Bom Jogo, mostrou qualidade.

Lisandro: Não deve ficar no plantel pelo excesso de centrais mas hoje mostrou grande qualidade técnica, faz 2 passes excelentes que deram em ataque perigoso.

Alfa Semedo: Muita vontade de jogar, deu tudo em campo, com o tempo vai melhorar.

Keaton Parks: Deu segurança ao meio campo mostrando ser versátil e aparecendo muitas vezes a finalizar.

Heriberto: Tal como Alfa Semedo mostrou serviço e empenho, sem medo de assumir a responsabilidade (o que é muito importante para o seu crescimento).

Cervi: Chega com vontade

Jonas: O normal romantismo com a bola

Ferreyra: Ainda a pouco gás, com os seus movimentos de rotura verdes.Está longe daquilo que se espera que seja o seu rendimento na época, vai crescer com a pré epoca!

Chiquinho: Entrou por Alfa, baixando Keaton e ficando ele a “8”. Não teve tempo suficiente para se mostrar.

Ola John: Muitos Passes falhados mas com um momento que fez lembrar os velhos tempos (Momento de desequilibro que deu cruzamento para Ferreyra)

Autor: Diogo Reis

Deixe o seu comentário

bomfutebol