-- ------ Taça das Confederações - 3º e 4º Lugar - Portugal vs México
Bom Futebol

Taça das Confederações – 3º e 4º Lugar – Portugal vs México

Taça das Confederações – 3º e 4º Lugar – Portugal vs México

Portugal e México voltaram a defrontar-se para o jogo de apuramento do 3º e 4º lugar da Taça das Confederações 2017. Após um empate no primeiro jogo, ambas seleções abriam o dia com a expetativa de tira-teimas, numa partida onde teriam que haver um vencedor. Destaque também para a ausência de Cristiano Ronaldo, com alguma curiosidade para ver como iria a equipa das Quinas atuar sem o seu capitão.

Portugal procedia a uma profunda alteração, sem o seu capitão Cristiano Ronaldo. Passando a jogar em 4-3-3, com André Silva como referência do ataque, escudado por Gelson Martins e Nani. Tridente de meio campo com Pizzi, a jogar mais à frente, Moutinho na ligação e Danilo como médio mais recuado. A defesa composta por Nélson Semedo, Pepe, de volta após castigo, Neto, que fez assim a sua estreia, e Eliseu, com Rui Patrício na baliza.

Onze Inicial de Portugal

O México a apresentar-se num plano parecido com Portugal, com Chicharito no ataque apoiado por Peralta e Vela, Herrera e Guardado no apoio do meio-campo e Marquez como médio mais recuado. A defesa composta por Reyes, Moreno, Araújo e Layún a resguardarem o titularissímo Ochoa.

Onze Inicial do México

Portugal mandão

O jogo começou com um claro ascendente de Portugal, que mostrava que queria vencer a partida, contra um México mais relaxado. Nani, logo aos 6 minutos, avisou Ochoa, sendo que Chicarito quase desviava com sucesso a bola, após cruzamento de Layún. Aos 17 minutos, a primeira grande oportunidade, após grande penalidade sofrida por André Silva, com Rafa Marquez a derrubar o jovem avançado. Após recorrer ao VAR, o arbitro confirmou a marcação da mesma, mas André Silva permitiu a defesa de Ochoa,

A partir de então o ritmo do jogo subiu, com as defesas de ambas equipas a comprometerem, quer com Nani a cabecear por cima, Pizzi a rematar ao lado e com o México a responder por duas vezes, numa confusão na área portuguesa com Patrício a resolver das duas vezes. Portugal voltava a ameaçar por Pizzi e Nelson Semedo, oferecendo um bom espectáculo,  sem nunca ser um grande jogo de futebol. O México desiludiu, apesar de alguns lances de perigo, com Portugal a jogar consideravelmente melhor que nos jogos anteriores.

André Silva falha grande penalidade

André Silva falha grande penalidade – Fonte: fifa.com

Até ao último minuto

A primeira parte começa novamente com Portugal mais em cima do jogo, com Gelson a rematar ao lado até que, no primeiro lance de perigo do México, Chicharito foge a Nélson Semedo e cruza para Vela, que falha o desvio e com a bola a bater em Neto para dentro da baliza portuguesa. O México aproveitou para mexer tirando o avançado Peralta para a entrada o médio Lozano, prevendo já uma maior pressão de Portugal. A tal pressão quase dava frutos quando Gelson cabeceia para uma excelente defesa e Nani voltou a falhar em excelente posição.

Apesar da pressão da equipa portuguesa, havia agora uma maior dificuldade em criar lances de perigo parte a parte, sendo que ambos treinadores mexeram bastante nas equipa, com o desinspirado Nani a dar o lugar a Quaresma, João Moutinho a Adrien Silva e Danilo a André Gomes. Por seu lado, Guardado saiu para entrar dos Santos. Chicharito quase encerrava o jogo, num lance onde Rui Patrício fez bem a mancha e quando já poucos acreditavam, Quaresma cruza para a área e Pepe, qual ponta de lança, a desviar com a biqueira da fora e a empatar, já em tempo de compensação. A derrota para Portugal seria um castigo injusto, principalmente num dos seus melhores jogos na competição.

Perspectiva do golo de Pepe

Perspectiva do golo de Pepe – fonte: Fifa.com

À 5ª tentativa, golo!

Fernando Santos aproveita para reforçar o meio-campo, ao retirar Pizzi para a entrada de William Carvalho. No entanto, entra melhor o México, com Herrera e Lozano a criar bastante perigo. Seria, no entanto, Portugal a marcar quando Gelson pica a bola por cima de Layún e mesma embate no braço do mexicano, sendo assinalada grande penalidade. Adrien Silva, chamado à conversão, não falha, conseguindo converter a 1ª grande penalidade de Portugal na competição, à 5ª tentativa.

E à 5ª tentativa, fez golo

E à 5ª tentativa, fez golo – Fonte: Fifa.com

A segunda parte do prolongamento começa com a expulsão de Nélson Semedo, por jogo perigoso. Portugal iria jogar 15 minutos com apenas 10 jogadores, sendo que Quaresma mostra que Portugal ainda não estava morto, mesmo com menos 1. Curiosamente, a pressão final do México começou com a expulsão de Jimenez, com um lance parecido com o de Nélson Semedo. Aí entrou em acção Rui Patrício, defendendo um remate perigoso de Herrera, com Moreno a cabecear ao lado logo a seguir. Os momentos finais foram tomados por uma confusão no banco mexicano, perdendo assim tempo precioso e que nada se coaduna com BomFutebol.

Vitória justa de Portugal, que mostrou mais e melhores argumentos que o México e apresentou um futebol melhor que nos últimos jogos, sem o típico jogo de contenção presente nas equipas de Fernando Santos, mesmo sem deslumbrar. O México tem jogadores para mais e melhor que o que demonstrou nesta competição.

 

Portugal vs México

Portugal vs México

 

Deixe o seu comentário

bomfutebol