-- ------ Técnica – Algo mais que a capacidade de Driblar/Fintar
Bom Futebol

Técnica – Algo mais que a capacidade de Driblar/Fintar

Técnica – Algo mais que a capacidade de Driblar/Fintar

Muito se fala do jogador técnico, aquele que tem uma capacidade de drible/finta acima da média. Jogadores com um estereótipo caracterizado por serem rápidos, talvez também magros e definidos. A técnica tem sido associada a atletas com determinadas características e em nada com a sua real capacidade técnica.

 

“Que técnica que aquele jogador tem, o defesa não sabe como tirar a bola dele.”

“Que jogador tecnicista passa por todos os defesas.”

 

São algumas das frases que normalmente ouvimos e que mostram, claramente, a relação direta que se coloca entre a técnica e a habilidade de drible/finta que o jogador tem.

Seria muito pobre se a técnica fosse apenas caracterizada por esta habilidade. Mas, felizmente, o futebol é composto por diversos fundamentos, sendo que o jogador técnico terá que dominar a sua maior parte para poder ser denominado de jogador técnico.

 

1. A técnica nas outras modalidades

Ao realizarmos uma análise mais profunda nas outras modalidades, podemos perceber que a técnica é fundamental para o sucesso no desporto. Cada modalidade tem a sua técnica específica. Desta forma, se o atleta não a domina dificilmente conseguirá chegar a patamares superiores na modalidade.

No basquetebol, por exemplo, a técnica de lançamento é das técnicas mais trabalhadas nos treinos. É aquela que maior impacto tem no jogo. Jogadores da NBA realizam treinos onde apenas fazem repetição do gesto (com bola e sem bola) de modo a aperfeiçoar o lançamento. No voleibol repete-se a história, onde repetições de remate, de manchete, de receção de bola são treinadas ao pormenor. Partindo para o Futebol Americano, onde a componente física é extremamente importante, o jogador mais bem pago é aquele que tem a melhor qualidade de passe a longa distância. Não se trata de força, mas sim de técnica de lançamento. Também na NHL a técnica é fundamental para se conseguir dominar um pequeno disco. Isto no meio da disputa física constante que é uma das maiores características da modalidade.

Torna-se fácil perceber a importância da técnica nas diversas modalidades coletivas. Podemos, ainda assim, ver a técnica em modalidades individuais. Atletismo, natação, ténis, entre outras, onde a técnica é a componente mais importante de todo o treino.

 

2. Os exemplos individuais: de Federer a Schooling, passando por Phelps, entre outros

Não é de estranhar que, mesmo em modalidades cuja componente física é extremamente importante, possam existir atletas que não correspondam ao estereótipo físico da modalidade. Temos alguns exemplos, tais como o basquetebol (Muggsy Bogues) e a natação (Joseph Schooling).

Imagem 1- Schooling. A ténica do… sucesso. Fonte: businessinsider.com

 

Por isso, encontramos atletas nas diversas modalidades que, ao dominarem a técnica, conseguem atingir o sucesso e manterem-se por lá durante algum tempo. O caso de Roger Federer é um grande exemplo, pois é um atleta técnico, que continua a ser um dos principais tenistas da modalidade. Outro exemplo é o caso de Joseph Schooling, que através da sua técnica conseguiu derrotar o nadador Michael Phelps num dos estilos mais difíceis da natação (Mariposa).

Claro está que este conceito de técnica engloba todos os fundamentos da modalidade. Não se baseia somente num ou dois fundamentos (tal como no futebol).

 

3. Será que o futebol também está orientado para a técnica?

No que diz respeito ao futebol, a técnica tem sido muito esquecida ultimamente. Dá muito valor ao jogo em equipa e ao trabalho reduzido. Já nos escalões de formação, o que parece importar é formar equipas, em vez de se pensar em formar jogadores. Em minha opinião, o trabalho de formação deveria ser visto de uma forma individualizada. Ou seja, apesar de se jogar em equipa e de se procurar passar os princípios de cooperação, é fundamental trabalhar o jogador individualmente, pois muitas vezes damos a mesma “receita” para um conjunto de 22 jogadores, o que não está certo. Com certeza que, dentro desse conjunto de jogadores, cada um precisa de uma “receita” diferente, uma vez que cada atleta apresenta diferentes dificuldades.

Técnica em movimento em mais um treino... canarinho.

Imagem 2- Treino da Seleção canarinha. Fonte: http://rtreinador.blogspot.pt

É fundamental os jogadores de futebol dominarem a técnica da modalidade, porque existe muito mais do que passar e rematar uma bola. Mesmo o passe, que é o fundamento mais utilizado, por vezes é esquecido, deixando os jogadores passar a bola com qualquer zona do pé e sem objetividade nenhuma.

Normalmente encontro diversas equipas muito bem classificadas na sua competição. Depois, porém, ao pegar individualmente nos seus jogadores estes apresentam grandes dificuldades técnicas. Ao nível da relação com bola, da utilização do corpo (antecipações, cabeceamento, entre outras). Assim sendo, muitas destas debilidades acabam por ser camufladas nos jogos (principalmente em divisões inferiores) pelos colegas de equipa.

Não é por acaso que cada vez mais comecem a surgir escolas e academias de treinos específicos e individuais, focados na técnica do futebol. É algo que irá certamente melhorar o futebol, mas acredito que esse trabalho também deva ser feito nos clubes e nas equipas onde os atletas estão inseridos.

 

4. A técnica no futebol

O futebol tem diversos fundamentos, sendo alguns deles: cabeceamento, remate, passe, receção, drible/finta, condução de bola, antecipação, proteção de bola, como tantos outros.

Claro está que dentro de cada fundamento existe muita coisa para se corrigir e explicar a um atleta. Infelizmente, muitos treinadores trabalham a questão técnica de forma livre. Ou seja, para trabalhar o cabeceamento colocam o jogador a cabecear a bola, não explicando os movimentos corretos. Seja ao nível dos braços, tronco, pernas, pescoço, tempo de bola e olhos. Isso fará com que os atletas treinem sobre o erro. Este processo repete-se para o passe e remate onde qualquer parte do pé serve para passar e rematar. Isto independentemente do objetivo (o que interessa é ser golo ou a bola chegar ao colega).

Nos dias de hoje, procuramos trazer o futebol de rua para o campo de futebol, mas é fundamental perceber que existe uma técnica da modalidade e que esta tem que ser respeitada e trabalhada, sendo da responsabilidade dos treinadores ensinarem a técnica da forma mais correta.

Um treinador que valoriza a técnica do futebol não necessita de estar sempre a fazer exercícios técnicos. Quando tem a oportunidade de corrigir um aspeto técnico no jogador, não a perde. Mesmo que seja num exercício tático.

Treinadores como Guardiola dão imenso valor à componente técnica, pois acredita que só um jogador técnico (na sua globalidade) poderá chegar ao topo e se manter por lá durante muito tempo.

Imagem 3- Guardiola, a eterna referência. Fonte: https://batomefutebol.wordpress.com

Dependendo da posição, os jogadores terão mais aptidão para diferentes fundamentos, mas em geral apresentam um equilíbrio técnico. Na minha opinião, podemos encontrar uma maior quantidade de jogadores técnicos, como os médios. Este tipo de jogador poderá ter mais influência na equipa, uma vez que domina a técnica do futebol na sua globalidade.

 

5. Conclusão final

A criatividade é fundamental no futebol e em qualquer modalidade, mas é fundamental desenvolver a técnica correta para que a parte criativa surja de uma forma objetiva e eficaz, e não de uma forma negativa, onde o jogador não consegue tirar proveito dela.

Um exemplo que normalmente dou aos meus jogadores é: “durante um jogo, existem sempre objetivos que queremos alcançar.” Consoante o objetivo que pretendemos, temos que agir de maneira diferente. Não fará qualquer sentido agir sempre igual para objetivos diferentes. Se o jogador está com o defesa do lado direito, com que pé deve conduzir a bola? Será que deve usar o mesmo pé caso o defesa esteja do seu lado esquerdo? Para cada problema, uma resolução diferente. O jogador certamente terá que usar o pé mais longe do defesa para conduzir a bola.

Muitos vão dizer que não faz sentido, pois há sempre um pé mais forte que o outro. Já eu trabalho os meus jogadores para jogarem com todas as armas ao seu alcance. Se podem usar os dois pés, porquê só usar um? O futebol acima de tudo é pensado e tem uma componente estratégica. O jogador, esse, tem de usar a sua capacidade técnica de forma estratégica também, mas para isso é fundamental que conheça a técnica do futebol.

Deixe o seu comentário

bomfutebol