-- ------ Tigres devoradores atrás do brilho passado - Bom Futebol
Bom Futebol

Tigres devoradores atrás do brilho passado

Tigres devoradores atrás do brilho passado

A Série B do Campeonato de Portugal termina a 1.ª volta com Sporting Espinho e Cinfães co-líderes, porém os ‘Tigres da Costa Verde’ golearam os rivais directos no fecho, ganhando ascendente. O Bom Futebol reparte-se pelos vários relvados de uma Série que vai do Marão à Madeira.

A experiente equipa da Camacha continua aquém das expectativas, o Freamunde passa por uma crise financeira depois de mais um estranho investimento estrangeiro, o reinventado Canelas procura livrar-se da má fama que trouxe consigo do Distrital portuense, Trofense e Salgueiros ainda não conseguiram estabilidade exibicional e de resultados, Sanjoanense parece ter perdido nas mudanças, ao invés do Cesarense de Secretário. O Amarante perdeu algum gás enquanto Gondomar, pelo contrário, faz valer a manutenção da aposta no seu técnico e leva cinco triunfos de enfiada, a não conhecer o desaire desde o embate face a Sporting Espinho na ronda oito.

Apesar dos cinco pontos de vantagem de Sporting Espinho e Cinfães sobre Cesarense, a disputa pelos lugares de playoff e pela fuga à descida está muito aberta, oito pontos do último para a linha de permanência, 13 pontos do 1.º para a zona de descida.

A média de golos por encontro é nitidamente inferior à da Série A e existem quatro formações ainda invictas em casa, os três primeiros e a formação madeirense da Camacha.

Já existiram mais mudanças técnicas comparativamente com a Série A do Campeonato de Portugal, sendo a média de idades um pouco acima dos 45 anos. São quatro os debutantes no futebol sénior, Tiago Silva, que subiu dos juniores do Sousense, já substituído, o antigo internacional Nuno Valente, que entrou e saiu no Trofense, Daniel Barbosa, que sobe dos juniores do Freamunde para a primeira equipa, e João Crespo, recentemente chamado ao comando técnico do Salgueiros.

Os futebolistas utilizados até ao final da 1.ª volta têm origem em 26 nações distintas. Além de Portugal, Angola, Argentina, Austrália, Brasil, Burkina Faso, Cabo Verde, Camarões, Chile, China, Colômbia, Costa do Marfim, EUA, França, Gana, Guiné-Bissau, Haiti, Inglaterra, Nigéria, Quénia, Rússia, São Tomé e Príncipe, Senegal, Ucrânia, Uganda e Venezuela confirmam Bom Futebol dos cinco continentes na Série B.

Sporting Espinho

Depois da quase extinção, da falta de pessoas para assumirem a gestão do clube – ou do futebol da eclética formação, coube a um grupo jovem de adeptos recuperar os ‘Tigres da Costa Verde’, que continuam a aguardar por um novo estádio, cujo projecto já está aprovado há mais de uma década, voltando a promessa autárquica de apoio na construção, pois o ‘velhinho’ Comendador Manuel de Oliveira Violas está mesmo a precisar de ‘substituição’.

 

Depois da passagem pelo Distrital aveirense, algo que não sucedia desde 1949, o Bom Futebol do Sporting Espinho regressa aos Nacionais e lidera o Campeonato de Portugal, Série B, 17/18, visando saltar já para a Ledman LigaPro, apesar da diferença de custos desse salto, sem os devidos retornos financeiros que o sustentem, o que obrigará, em caso de subida, a encontrar apoios, investidores e patrocínios de maior pujança.

Rui Quinta, treinador com experiência de Primeira Liga e já campeão nacional como adjunto, foi a escolha para este retorno aos nacionais e, depois de um arranque ‘empata’, a equipa parece ter engrenado, mesmo ‘perdendo’ um dos seus artistas, o veterano Carlos Manuel, que deixou o clube há pouco tempo por estar a ter menos utilização do que antecipava.

Nas redes está a antiga promessa portista Leonardo Leichsenring, internacional jovem luso, que poderá finalmente catapultar-se, aos 27 anos, para as ligas profissionais.

Carlitos, 31 anos, formado no clube, regressou aquando da queda nos Distritais e tem sido uma das referências, no balneário e no relvado, num ataque onde Gilson Varela revela aptidões concretizadoras, o ponta-de-lança cabo-verdiano soma nove tentos, a um de igualar o seu melhor, há cinco anos no Vitória Sernache, aliás Varela e Carlitos somam 18 golos em conjunto, têm sido demolidores no ataque ‘tigre’.

Se o sandinense Bruno Gomes é o mais utilizado do plantel, Samu, cedido pelo Boavista, está a aproveitar da melhor forma esta cedência para colocar em evidência toda a sua qualidade de pés e de visão de jogo.

Dos 23 futebolistas já utilizados, apenas quatro não são portugueses e há cinco que se fizeram no clube, um dos quais Bessa, primeiro ano de sénior, ponta-de-lança como o pai, também um ex-futebolista do Sporting Espinho, entretanto cedido ao São João de Ver para ganhar minutos.

A Rádio Cidade Mais realizou um protocolo com o Cesarense, passando a exibir os encontros em directo no Facebook, para além dos relatos, o que oferece cada desafio, como sucedeu com o Cesarense x Sporting Espinho no Mergulhão, partida realizada no início de Dezembro.

Tarde Desportiva

Posted by Rádio Cidade Mais on Sunday, 3 December 2017

 

Cinfães

Flávio das Neves deixou São da João da Madeira para colocar o Cinfães no topo da Série B. A equipa azul e branca apresenta Bom Futebol, atraente, mas aparentemente o propósito é garantir a manutenção o quanto antes. A subida à Ledman LigaPro implica habitualmente excessos financeiros e o clube da margem esquerda do Douro prefere seguir equilibrado.

Depois da ‘separação’ temporária, a crise que assola o Freamunde voltou a ver pai e filho reunidos, Rúben Neves, médio centro filho de Flávio, trocou os ‘Capões’ pelo Cinfães, estreando-se com as novas cores precisamente no final da 1ª volta.

Há anos que tal sucede, a falta de recursos humanos nas formações do interior português leva-as a despender mais dinheiro para atraírem futebolistas oriundos dos grandes centros urbanos, neste caso do Grande Porto, tendo o Cinfães alguns de antigos formandos do Boavista, vários ex-‘bebés’, candalenses, ex-Salgueiros, Feirense, Rio Ave, Paços de Ferreira ou Belenenses e Benfica, esta temporada contando também com um par de colombianos.

A equipa é jovem, mas conta com alguns futebolistas cuja carreira ficou aquém do que prometiam na formação, nomeadamente Rui Gomes, Agostinho Soares, João Rodrigues e o guarda-redes Diego Silva, a exibir-se tão bem até uma grave lesão nos ligamentos que lhe rouba o resto desta temporada.

 

Mica desceu ao Campeonato de Portugal para revitalizar a sua carreira, ele que ainda tem apenas 22 anos, o madeirense Caminata também se tem mostrado, apesar de ser mais habitual a partir do banco, assim como Ivo Lemos, que se mostra preponderante no miolo do Cinfães e apresenta credenciais de Bom Futebol para subir às ligas profissionais, ele que alinhou no Gondomar e Salgueiros antes desta mudança para Cinfães, tem 23 anos, o que o torna num alvo apetecível a emblemas de maior nomeada.

Rui Gomes, 41 jogos pelas camadas jovens de Portugal, tem aqui o perfil traçado no canal oficial da Federação Portuguesa de Futebol. Aos 29 anos, o criativo parecia destinado a altos voos, porém o seu Bom Futebol limita-se ao terceiro escalão luso depois de uma experiência no estrangeiro.

 

Flávio das Neves já recorreu a 20 futebolistas na 1ª volta, sete dos quais não portugueses, mas a equipa continua a reforçar quadros, onde estão dois novos guardiões face à baixa de Diego Silva, Nuno Rafael que representava o Anadia e outro ex-internacional jovem português, Ricardo Neves que chega da União Leiria.

Digas é outro elemento de algum protagonismo nas margens do Douro, assim como Nélson Sampaio, num plantel que combina juventude já rodada para um ‘cocktail’ futebolístico bastante atraente.

Amarante FC X Clube Desportivo Cinfães em direto ?

Posted by Amarante FC on Sunday, 17 September 2017

 

Outro dos clubes com visão para tentar chegar a públicos mais amplos e promover o seu Bom Futebol é o Amarante FC, que arrancou muito bem a temporada e transmite os seus desafios em casa na página oficial do clube na rede social Facebook. Acima o desafio entre Amarante e Cinfães, entre Marão e Montemuro.

Cesarense

Depois de uma época um tanto ou quanto atribulada, com três mudanças técnicas, a formação de Cesar, em Oliveira de Azeméis, tem no sanjoanense Secretário o treinador para 17/18 e está no encalço dos dois líderes, num plantel completamente remodelado, igualmente a mostrar Bom Futebol, com o antigo formando do Boavista Diogo Pereira a pautar o jogo ofensivo da equipa e o pernambucano Júlio Alves a finalizar. Guilherme, João Edgar, Cauê, Pardal e o guardião Diogo Almeida, ex-Sanjoanense, completam uma defesa compacta, tendo Fábio Pereira a equilibrar e apoiar, ainda a sonharem com o Mergulhão na Ledman LigaPro.

Foi no Cesarense que Andreia Norton, hoje no Sporting Braga, ganhou projecção no feminino, agora procurando promover igualmente algumas jovens estrelas no masculino.

A 1.ª volta terminou com um derby entre Cesarense e Sanjoanense, partida que pôde ser seguida na página Facebook da Rádio Cidade Mais e no canal mycujoo.tv dos oliveirenses. Cesarense x Sanjoanense

Tarde Desportiva AD Sanjoanense VS Futebol Clube Cesarense Ouça aqui em direto

Posted by Rádio Cidade Mais on Sunday, 7 January 2018

 

Cinco empates nos mais recentes desafios fizeram com que os comandados do antigo internacional português se atrasassem face aos rivais Cinfães e Sporting Espinho, contudo o Cesarense mantém as aspirações intactas.

Diogo Almeida, Pardal e João Edgar são três dos bons elementos saídos da formação da Sanjoanense que o Cesarense está a aproveitar – e bem – sendo estranho que na vizinha São João da Madeira os tenham deixado sair.

Gondomar

O Gondomar arrancou com cinco empates e uma derrota, até bater o Canelas à 7.ª jornada, todavia a direcção manteve bem seguro José Alberto. Até à 10.ª ronda sucederam-se mais dois empates e a derrota ante o Sporting Espinho.

Gondomar x Sporting Espinho

Apesar das desconfianças, José Alberto finalmente colocou o Bom Futebol do Gondomar a render três pontos e com cinco triunfos seguidos saltou da zona vermelha para o 4.º lugar da tabela da Série B do Campeonato de Portugal. Este é um exemplo de como, quando se observa trabalho bem realizado, se deve dar tempo para os futebolistas se ajustarem a novas realidades e perceberem as ideias do clube e da equipa técnica.

Na baliza está outro ex-internacional jovem luso, Cavadas, a equipa tem os experientes Manuel José e Ivan Santos, também eles antigos internacionais portugueses, mas Bruno Sousa, Francisco Sousa, Portilho, Tiago Graça, Lunácio Gomes, Tiago Gomes, Telmo Castanheira, entre outros, apresentam futebol para entrarem nas ligas profissionais. Com as portas fechadas em Portugal, outras ligas podem ser o melhor caminho, com maior valorização, melhores ordenados e a possibilidade de abertura de horizontes, em termos culturais, sociais, familiares, pessoais e profissionais, algo que muitos emigrantes futebolistas portugueses ainda não compreenderam, fechando-se numa redoma quando rumam ao estrangeiro, não procurando aprofundarem-se nesse futebol, criarem uma rede de contactos, aprenderem a língua, para que no futuro consigam mais facilmente vingar na carreira pós-futebolista, para os que não têm outras carreiras em paralelo no presente e futuro.

O São Miguel tem assistido a bons encontros, mas o Gondomar necessita de evoluir ofensivamente, sendo o madeirense Kiko Sousa o melhor marcador da equipa. Depois de três temporadas entre ‘B’ e ‘C’ do Marítimo onde se formou, o médio deixou o Funchal para rumar a Santo Tirso e na temporada transacta trocou o Tirsense pelo Gondomar, onde confirma o seu potencial, mesmo que ainda esteja por perceber na plenitude onde renderá mais, joga no meio-campo em qualquer posição, sabe alinhar na lateral direita, mas também à linha ou como interior, mais ofensivamente, um polivalente para o treinador ‘ler’ e inteirar no melhor da equipa.

Felgueiras

Em Felgueiras Horácio Gonçalves assumiu a equipa durante a época passada, acabando por sair no final da 1.ª volta 17/18, rumando agora à ‘Capital do Calçado’ Ricardo Sousa, antiga estrela jovem lusa, filho do internacional António Sousa, que estava no Anadia da Série C.

A equipa felgueirense segue empatada com o Gondomar, a somente seis pontos da liderança, e tem alguns nomes cujo Bom Futebol é inegável, como é o caso do ‘caseiro’ André Rodrigues, no segundo ano de sénior, que acabou de completar 20 anos e é um médio centro que pode aspirar a dar o salto em breve.

Patrick, ponta-de-lança cabo-verdiano, leva quatro golos no tempo que tem de utilização, a pedir mais minutos, conta com um golo a cada 85!

Por outro lado, a experiência é nota clara do clube, que tem Ricardo Fernandes e o seu pé mágico, Paiva na baliza, Desmarets, Alex Porto e o central Pinto, para contrabalançar a irreverência dos acima destacados.

Veremos como se desempenha outra equipa que esteve extinta, mas foi reavivada pelas gentes da terra, procurando agora retomar o trilho do sucesso dos anos 90 e 00, mas sem sacos coloridos, preferencialmente.

Amarante

Pedro Pinto tem vindo a realizar um bom trabalho nas margens do Tâmega, a equipa exibe-se de forma consistente, vai promovendo jovens feitos no clube ou nas equipas dos arredores, o que acaba por contrariar a ideia pré-concebida de que não há talento no interior, estamos a falar das escarpas ocidentais do Marão, ou seja, a relação está mais na vontade de direcções e equipas técnicas em trabalharem e potenciarem o talento local – regional – do que na falta dele, o resto é trabalho, muito trabalho, para se limarem as arestas do potencial e se explicar o que se pretende de cada um.

Neste Amarante vai brilhando um ganês, Ayongo, já com 11 golos, de somente 21 anos, que estará perto de rumar a um patamar superior, pois já despertou a cobiça de vários emblemas nestas três temporadas que leva de Amarante.

 

Contudo, outros nomes se exibem com boa nota, como o sejam Andrezinho, Armando Silva ou Carlos Silva, todos eles locais, os dois últimos laterais, o primeiro, oriundo de Mancelos, Vila Meã, uma das freguesias do concelho de Amarante, um médio centro com Bom Futebol para se exibir em canais desportivos ‘premium’.

Marquinhos regressou ao clube onde se formou, aos 31 anos, depois de algumas aventuras, a mais recente das quais no Lusitanos de Andorra, para onde rumou durante a temporada passada, que iniciou em Fafe.

Aqui a recepção ao Aliança Gandra, um dos desafios que o Amarante FC partilhou com todo o auditório Facebook.

?: Amarante FC ✖️ Aliança de Gandra

?: Amarante FC ✖️ Aliança de Gandra

Posted by Amarante FC on Sunday, 12 November 2017

Pedras Rubras

Não muito longe do aeroporto do ‘Porto’, o Pedras Rubras subiu há alguns anos aos nacionais e aqui se mantém, aproveitando da melhor forma as camadas jovens dos principais emblemas do Grande Porto e contando com alguns africanos de muito boa qualidade.

A margem para a zona de despromoção é de apenas três pontos e a luta promete ser muito renhida até final pela manutenção no Campeonato de Portugal, alicerçando o emblema maiato a sua força na qualidade defensiva da equipa.

A visita do Pedras Rubras ao Tâmega teve direito a transmissão amarantina, que pode ser (re)vista na página oficial do Amarante FC no Facebook.

Amarante FC x FC Pedras Rubras

Amarante FC x FC Pedras Rubras

Posted by Amarante FC on Sunday, 29 October 2017

 

Miguel Vaz vem-se mostrando uma espécie de metrónomo nestas épocas de Pedras Rubras, sempre regular, enquanto Ricardo Cardoso, outrora promessa do meio-campo jovem do FC Porto e das selecções portuguesas, parece ter neste clube o seu espaço de eleição, foi aqui que mais jogou em sénior, na época 15/16, agora regressando para voltar a ter dimensão. Aos 26 anos ainda pode almejar a mais, mas necessita de ser mais afirmativo e ousado no terreno.

O camaronês Aboubakar pode rapidamente voar para outros palcos, assim como o senegalês Abdoulaye, formado na Étoile Lusitana de Norton de Matos e que já despertou curiosidade de clubes na época passada, no Gouveia. Miguel Baptista precisa de mais consistência, mas tem laivos de estrela a momentos, os gémeos Miguel e Nuno Pereira, formandos do Bessa, são outros dois nomes com Bom Futebol para rumarem a paragens de maior dimensão e atenção mediáticas.

 

Canelas 2010

Será difícil a este ‘novo’ Canelas, criado depois do final do anterior clube com o mesmo nome e na mesma freguesia gaiense, escapar do rótulo que ganhou a competir no Distrital da AF Porto, até por ter subido basicamente por desistência dos adversários, na fase regular, face ao excesso de violência do clube nos relvados e/ou pelados.

A subida ao Campeonato de Portugal, porém, trouxe uma necessidade de definição de novo plantel, nova equipa técnica, com o antigo central de primeira divisão Matias a assumir o comando do plantel e vários antigos internacionais jovens portugueses, nomes como Rui Lima, Vítor Borges, Vítor Bastos, a integrarem um plantel que visa a manutenção.

A equipa estreou-se nos Nacionais, pois este Canelas 2010 é tomado como um clube novo e não um ‘renascimento’ do Canelas original, fundado em 1966, apesar de partilharem cores e mesmo logótipo, ao contrário de outros emblemas, num duelo de promovidos diante do Sporting Espinho, partida que terminou com um empate recheado de golos.

 

Além disso, o Canelas conta com jovens como Tiago Nani, o brasileiro Augusto Neto, o central Ricardo Moreira ou o russo Drogunov, que aportam irreverência positiva a uma equipa que, ainda assim, é imensamente madura, com vários jogadores na casa dos 40 anos de idade.

Drogunov e Ofosu, além da surpresa Ricardo Moreira no centro da defesa, têm sido uma lufada de ar fresco, a acompanharem muito bem os veteranos.

A equipa canelense está claramente na luta pela permanência e a exibir-se acima do que era antecipado na preparação para o Campeonato de Portugal 2017/18.

Camacha

A Camacha arrancou com o mais jovem técnico, Pedro Andrade, ainda nem trinta anos completados, mas este foi substituído pelo antigo médio Tuck, contudo sem uma massa de resultados positivos que catapultassem a SAD, detida, entretanto, pelo antigo internacional português Maniche, para lugares cimeiros.

O plantel tem os locais bem experientes Miguel Fidalgo, Márcio Abreu, Rúben Andrade, Nuno Viveiros, futebolistas com quilometragem internacional e de primeira, aliados a Roberto Silva, Carlos Manuel, Tito, Marquinhos, Luís Miguel e João Rui, a equipa mais experiente, no global, mas que continua a experienciar algumas dificuldades em conquistar pontos fora da ilha.

O guardião Marçal chegou de Fafe e é o único ‘continental’ nos mais utilizados, Carlos Manuel nasceu na Venezuela, mas faz parte da Diáspora madeirense no país sul-americano e criou-se na Madeira. O luso-guineense Marlon Costa, que parecia caminhar para uma afirmação no Vitória sadino, continua a custar em confirmar-se e nesta cedência à Camacha prossegue com as dificuldades em ter tempo de jogo consistente.

Sanjoanense

Um dos muitos emblemas históricos e ecléticos de Portugal, referência em diversas modalidades e que já forneceu internacionais portugueses em futebol, em andebol, em basquetebol, em hóquei em patins, no atletismo, no ciclismo, na natação, a Sanjoanense tem vindo quase sempre a viver altos-e-baixos consecutivos.

As várias crises que assolaram as diversas modalidades, onde se inclui o futebol, levaram a aposta na prata da casa, quase sempre com sucesso. Contudo, as subidas tendem a uma nova ‘investida’ exterior, desprestigiando a forte formação do clube, o que parece estar a suceder novamente, com a equipa a tentar meramente sobreviver nos nacionais.

Como facilmente se nota no colorido, quase todos os futebolistas mais usados na temporada 17/18 da ADS são novos recrutas, ‘Miccoli’ a iniciar o trajecto sénior no clube onde se iniciou, depois de findar a formação no Feirense, e o muito Bom Futebol de Samuel Teles são os ‘produtos’ feitos em casa e o brasileiro Murilo é o único, a par de Teles, que se mantém da época passada entre os mais utilizados da equipa.

Entre os nomes novos está Luís Esteves, um ‘vareiro’ formado no Sporting CP, que se iniciou no Arada de onde nasceu e fechou o ciclo formativo nos juniores de Feirense e de Sporting Braga, a ter em São João da Madeira o primeiro clube sénior.

 

Outro sénior de primeiro ano a somar muitos minutos nesta transição é Igor Santos, formado entre o Leça e o Boavista, também com Bom Futebol nos pés.

Em oposição aos dois emblemas anteriores – Canelas e Camacha – a ADS tem uma equipa muitíssimo jovem, o que explica um pouco da inconstância exibicional e de resultados, entre a derrota com o ‘lanterna vermelha’ Sousense e os problemas criados ao Cesarense.

Não falta qualidade em potencial nesta equipa, mas necessita de ser ainda melhor trabalhada, particularmente no capítulo mental, enquadrando bem estes jovens naquilo que podem alcançar, mas acima de tudo no que são, no que representam, na história do clube e como é obrigatório burilarem colectivamente para alcançarem os propósitos de todos.

Coimbrões

Bizarro está a sentir mais dificuldades esta temporada para colocar a equipa gaiense e praticar Bom Futebol com vitórias, são quatro para seis empates e cinco derrotas, estando o Coimbrões abaixo da linha de água.

A equipa parece ainda não ter encontrado um fio de jogo, mas o totalista Filipe Cardoso, formado entre o Coimbrões e o Boavista, segue a mostrar atributos de Bom Futebol no fulcral espaço de jogo que é o miolo do terreno.

Os ‘Silva’ trouxeram golos, Alex, penafidelense de nascimento e formação, que alinhou no Cinfães nas recentes três temporadas, e Ludgério Santiago Silva, luso-são-tomense de 31 anos, também oriundo dos cinfanenses, a recuperar as celebrações de golos depois de apenas uma concretização nos últimos dois anos, agora leva quatro, enquanto Alex Silva soma cinco.

 

João Diogo e Tiago Bizarro, filho do treinador – também ele um antigo guardião, campeão do mundo de sub20 em 1989, têm protagonizado um curioso duelo nas redes, ambos bem jovens, agora a contarem com a concorrência do experiente brasileiro Armando, que estava no Canelas.

 

Do Cinfães chegou ainda Mário Pereira, outro ex-produto da academia ‘pantera’ do Bessa, médio de 24 anos já com mais de 100 partidas de CNS/CPP/Campeonato de Portugal. No caso de Guilherme Gomes, sénior de primeiro ano, depois de Anta, Salgueiros, Foz, Boavista, Padroense e Sporting Braga, está a ser uma boa transição, ou seja, está a ter minutos e já marcou um golo. Mais um adolescente a seguir atentamente no Campeonato de Portugal.

Freamunde

Micael Sequeira aguentou bastante tempo, apesar dos constantes rumores de salários não pagos à equipa técnica e a um plantel profissional na sua maioria. Daniel Barbosa assumiu após a saída de Micael e, entretanto, cerca de uma dezena de jogadores rescindiu com justa causa por incumprimentos salariais.

Os ‘Capões’, contudo, acabam de introduzir Helton como novo técnico, naquela que será a primeira experiência de banco para o ex-guarda-redes internacional brasileiro que brilhou em Portugal ao serviço de União Leiria e de FC Porto.

Difícil de compreender é como terá surgido capital para trazer Helton Arruda e se já foram acertados os salários em atraso, pois espera-se que se tal não sucedeu o clube não possa inscrever novos atletas, é isso que acontece no grosso dos campeonatos, mesmo os semi-profissionais.

Da direcção já se escutou que tem por propósito reforçar o plantel que, mesmo assim, ainda conta com alguns elementos do arranque de temporada. Aliás, o jogo em Amarante mostrou isso mesmo, os juniores que seguiram com a equipa foram para o banco e estrearam-se como suplentes utilizados, o que é também bom.

? Em direto ⚽ Amarante FC X SC Freamunde

Posted by Amarante FC on Sunday, 7 January 2018

 

A equipa produziu Bom Futebol e possuía elementos de valia, até porque a descida do clube da Ledman LigaPro não era esperada e o propósito seria retornar rapidamente ao convívio dos grandes, o que deixa enorme curiosidade sobre a segunda metade da época e, naturalmente, como se iniciará Helton nesta nova etapa da sua vida profissional.

Salgueiros

O ‘Velho Salgueiral’ continua de casa às costas. A perda do Vidal Pinheiro para o Metro do Porto continua por explicar na plenitude, pois existia o projecto do estádio, lindíssimo, em Arca d’Água, bem perto do jardim que hoje existe num local, à altura descampado, afamado na história literária lusa por um duelo de espada entre Ramalho Ortigão de Antero de Quental, como forma de resolverem as diferenças e críticas do primeiro em relação a escritos do segundo e a críticas deste para com o idoso António Feliciano de Castilho.

O Salgueiros recuperou o nome original, ou seja, é o herdeiro do Sport Comércio e Salgueiros, mas vai jogando entre Matosinhos e Maia, um clube que foi abandonado pelo município, cuja responsabilidade – face à Porto 2001, ao Metro, à Junta Metropolitana – é bem grande no quase fim deste secular clube, o principal representante do nordeste portuense, de Paranhos.

A época não está a ser boa, o que acaba por ser quase natural numa equipa que mudou completamente, acabando por sair Alexandre Ribeiro e chega João Crespo para a sua primeira experiência como treinador principal sénior. O plantel tem Bom Futebol para melhor, no entanto a aflição das descidas parece estar a levar a melhor sobre a equipa, mesmo os mais experimentados.

Carlos Santos experimentou a Liga NOS com o Boavista, mas a falta de minutos leva-o a aceitar baixar dois degraus na pirâmide e alinhar no Salgueiros, onde tem feito dupla com o brasileiro Danielson, que em Portugal ganhou dimensão no Gil Vicente.

Outro nome de respeito, neste caso familiar e por potencial, é José Postiga, irmão mais jovem do ex-internacional, hoje investido nas funções de comentador, Hélder Postiga, que já concretizou três tentos.

Nuninho, primeiro ano de sénior, é outro jovem de grande valor, assim como Gonçalo Pimenta, Filipe Vieirinha e Tiago Alves. Edivândio, com poucas oportunidades no Marítimo, e o gigante senegalês Yero são mais dois nomes com experiência de Liga NOS a darem o contributo à ‘Alma’.

Trofense

Também a temporada do Trofense corre de forma bastante aquém do antecipado no início de época. O clube da Trofa já vai no terceiro técnico, depois do professor Fernando Mira ter começado, o antigo internacional Nuno Valente o ter substituído para a primeira experiência como treinador sénior, e ele próprio a dar lugar a um também antigo lateral, Quim Berto, que volta aos bancos com o propósito de assegurar a manutenção.

Apesar da perda de fulgor, a formação da Trofa garantiu a ida de Anthony Carter para o Benfica B, depois do jovem avançado australiano ter mostrado Bom Futebol no clube. O médio centro Bernardo Martins, e os ex-juniores Pedro Neves, Marcelo, Rúben Filipe, Rochinha e Ruca são outros nomes que não só estão a ganhar ‘calo’ sénior, a somar minutos, como podem captar o interesse de outros emblemas por aquilo que vêm produzindo.

Trofense 0 VS Amarante 2

Trofense 0 VS Amarante 2Os golos, as declarações e os momentos do jogo

Posted by TrofaTv on Sunday, 17 December 2017

 

Gavin de Niese é outro australiano a dar cartas na equipa. Para contrabalançar a juventude estão João Coimbra, Rodolfo, Diogo Silva, Mika Figueiredo e o chileno Lazcano. Na mó de baixo está André Viana, um médio centro trofense de gema, formado no clube, que parecia explodir aquando do seu surgimento no clube e que perde fulgor, aos 25 anos. Seria talvez tempo de procurar outras aventuras e desafios, na busca da sua confirmação.

Aliança Gandra

Sem qualquer tradição de nacionais, o Aliança Gandra, de Paredes, subiu pela primeira ocasião ao terceiro escalão e conseguiu manter-se, procurando seguir nessa órbita, apesar da dificuldade em acompanhar alguma concorrência.

A equipa assenta na formação dos ‘Castores’, por onde passaram Celso, Marco André, os dois guarda-redes, Rica e Flávio Brandão, Ricardo Barros e Pedro Sousa. O lateral direito Edgar é prata da casa, a vincar posição no seu segundo ano sénior, enquanto a antiga promessa Gradíssimo tenta confirmar o potencial que se lhe via nas camadas jovens, enquanto o extremo Diogo Almeida faz o debute sénior, após formação entre FC Porto e Rio Ave, com Bom Futebol.

Na Série B do Campeonato de Portugal a referência Pepe faz cartel, existem dois centrais que foram alcunhados com o diminutivo do luso-brasileiro agora na Turquia, um dos quais neste Aliança Gandra. Este Pepe tem 23 anos e formou-se no Nun’Álvares de Recarei, fazendo agora a estreia em nacionais com uma resposta razoável para quem está a fazê-lo, é totalista da equipa.

Sousense

O futebol, como tudo o resto na vida, é feito de renovação. Há a natural tendência para se olhar para o passado, lembrar históricos emblemas, entretanto caídos, acabando por se desdenhar os novos clubes que vão surgindo. Contudo, saem uns, entram outros e a equipa da Foz do Sousa, em Gondomar, é um exemplo, como o Aliança Gandra, de uma formação sem historial nos nacionais, mas que subiu a pirâmide e vai-se segurando. O Sousense pode gabar-se de não mais ter descido após a debutante ascensão ao nacional, em 2010, procurando prosseguir essa meta de continuidade.

 

Tiago Silva iniciou a época no banco, mais um estreante absoluto, a subir dos juniores, mas foi substituído à 8.ª jornada por Paulo Menezes, antigo jogador do clube e que orientou a equipa em 12/13.

A equipa tem muita juventude, de Igor Lopes a Vítor Andrade, passando por Ribas, Roberto Flores, Litos, Telmo, a par de vários rostos experimentados do clube.

Estrelas de Bom Futebol

Abaixo as 16 ‘estrelas’ de Bom Futebol eleitas na Série B, relembrando que isto é uma escolha subjectiva, alicerçada na avaliação própria, leitura de várias observações e reportagens de encontros, procurando ajustar a opção de um elemento por plantel/equipa/clube a um onze que pudesse alinhar num encontro.

Legenda da Tabela: JU – Jogadores Utilizados; Nac – Percentagem de Portugueses Utilizados; Id – Idade Média dos Futebolistas Utilizados; Id XI – Idade Média dos Jogadores Mais Utilizados; Am – Média de Amarelos por Jogo; V – Média de Vermelhos por Jogo; Alt – Média de Altura dos Futebolistas Usados; Ref – Reforços para 17/18 Utilizados; Ref XI – Reforços nos onze mais utilizados; HG – Futebolistas utilizados formados no próprio clube; Sub23 – Jogadores nascidos em 1995 e 1996 utilizados; sub21 – Jogadores nascidos em 1997 e 1998 utilizados; sub19 – Jogadores nascidos em 1999 e 2000 utilizados; sub17 – Jogadores nascidos em 2001 e 2002 utilizados.

 

Apesar das baixas do Freamunde, é o Sousense a equipa que utilizou mais futebolistas na 1.ª volta, 30, seguida de Trofense e Canelas, 28 cada. O Aliança Gandra é o emblema com maior percentagem lusitana, enquanto o Felgueiras está numa relação 60/40 entre portugueses e não-portugueses, apesar de ter alguns com dupla nacionalidade.

O Canelas tem o plantel mais idoso, mas entre os mais utilizados é a Camacha a liderar na maturidade. Em termos de juventude, é claramente a Sanjoanense a formação com o plantel mais jovem, abaixo dos 23 anos de idade, enquanto o onze volta a ser excepção, é ainda mais novo, abaixo dos 22 anos de média.

Amarante e Cinfães são as formações mais disciplinadas, no que a cartões diz respeito, já o Cesarense é o que mais amarelos levou, até ao momento. Novamente Amarante, agora secundado por Coimbrões e Sporting Espinho, foi a equipa que menos reforços utilizou, ao passo que Trofense (20), Salgueiros, Sanjoanense (19), Canelas e Cesarense (18) apresentam plantéis praticamente novos face à temporada anterior. No entanto, nos mais utilizados, Cinfães e Salgueiros têm 10 novidades em 11, contra dois de Gondomar e três de Amarante.

Freamunde (8), Trofense e Sousense (7) são os que têm mais jogadores utilizados que são formados no clube. Nenhum juvenil e apenas oito ainda em idade júnior são números escassos para o Campeonato de Portugal, seria de esperar um Bom Futebol oriundo das camadas jovens, até pela clara necessidade de contenção de custos.

Uma certeza se constata, há imensa qualidade distribuída pelos clubes do Campeonato de Portugal, a aguardar que observadores prestem bem atenção e os recomendem a emblemas acima na pirâmide do Bom Futebol, português e não só.

Deixe o seu comentário

bomfutebol