-- ------ Transição defensiva: Contenção e Antecipação - Bom Futebol
Bom Futebol

Transição defensiva: Contenção e Antecipação

Transição defensiva: Contenção e Antecipação

Com o início dos campeonatos, começa-se a entender as pequenas ações das equipas, individuais e coletivas, que vão moldando o seu sistema de jogo. Tanto a atacar como a defender há micro momento que é  interessante de analisar e que merece reflexão para uma melhoria geral do desempenho de um grupo de trabalho.

Na transição defensiva, um dos quatro elementos dos universais momentos de jogo, a contenção e a antecipação são ações fundamentais quando se visa uma equipa eficiente nesta fase de jogo. Alguns problemas que tenho verificado nas equipas do 1º escalão nacional surgem da (in)capacidade de selecionar a ação mais benéfica a executar quando há perda de bola, levando ao aparecimento de “buracos” a serem explorados pelo adversário.

Tanto a contenção como a antecipação são elementos essenciais para o equilíbrio defensivo. Olhando, por exemplo, para o SL Benfica, existe alguma descoordenação neste sentido. Principalmente a meio do terreno do jogo, a pressão é executada, várias vezes, de forma errada. Os médios investem em demasia na antecipação quando devem conter e, outras vezes, o contrário.

Este problema, que não é exclusivo dos encarnados, leva a um maior aproveitamento do adversário no momento de contra-atacar. A definição dos momentos de antecipação, que se devem realizar quando o(s) jogador (es) adversário (s) se encontra (m) mal posicionado (s) para receber a bola, indicando ao defensor, neste caso, o momento em que deve atacar a mesma, é vital para compensação de uma equipa.

A contenção também deve ser trabalhada de forma efetiva com o intuito, por exemplo, de não facultar muito espaço ao oponente para pensar o seu jogo. Este espaço pode originar perigo para a nossa baliza e, portanto, deve ser encontrada essa contenção. Noutros casos, deve-se cobrir o espaço ao invés de arriscar o corte que pode desmontar toda a estrutura defensiva.

Para o leitor, qual destas duas ações pensa que deve ser tida mais em conta no panorama do futebol nacional, objetivando um melhor posicionamento na reação à perda da bola?

Deixe o seu comentário

bomfutebol