-- ------ Um drible é mais bonito que um gol - Bom Futebol
Bom Futebol

Um drible é mais bonito que um gol

Dener

Um drible é mais bonito que um gol

Está-se a jogar a final do Campeonato do Mundo de 94, em Pasadena, e o jogo está a aproximar-se do final do prolongamento. O Brasil tem a bola, Mazinho faz uma abertura, Romário recebe sobre a pressão de Benarrivo, roda e passa para Dener, que dribla Maldini, Baresi e pica por cima de Pagliuca para o golo do Brasil! 

Este poderia ter sido o relato no final do Campeonato do Mundo de 1994, que opôs o Brasil e a Itália. Infelizmente, Dener não chegou a participar nem a ver esta final. Isto porque a 19 de Abril de 1994, Dener faleceu num acidente de viação, no seu Mitsubishi Eclipse conduzido pelo seu amigo Otto Gomes.

Dener moleque de ouro

Nascido em São Paulo em 1971, Dener começou a jogar na Portuguesa dos Desportos, mas teve que desistir por alguns anos por razões económicas. No entanto, voltou novamente para o Portuguesa, que rapidamente o promoveu à equipa principal. Foi o principal responsável pela primeira vitória da Portuguesa na Copa de São Paulo Júnior, com uma goleada por 4-0 sobre o Grémio. Dener marcou o primeiro e ainda assistiu para o segundo e foi considerado o melhor jogador da competição.

Estreia na seleção

Apenas com 20 anos, estreou-se na seleção brasileira frente à Argentina, tendo feito um segundo jogo contra o Perú. No entanto, apesar da performance em campo ser de excelência, fora dele era problemático. A direção da Portuguesa teve sempre grandes problemas em lidar com o jogador, que era rebelde e cujas companhias fora do campo também desviavam o seu foco. No entanto, o seu desempenho em campo não permitia que fora castigado pois era essencial em todas as equipas que passou. Lances como este traziam as comparação naturais com o Rei Pelé:

Grémio e Vasco

Em 1993, é emprestado ao Grémio por 3 meses, onde foi campeão gaúcho. Mas foi no Vasco da Gama que se destacou. Logo na estreia, contra o Newell’s Old Boys de Maradona, Dener é destaque e elogiado tanto pela impresa argentina como, reza o mito, pelo próprio Maradona.

Era um dos destaques do campeonato carioca e já se falava da convocatória para o Campeonato do Mundo do Brasil, naquela que estava a ser a sua época de afirmação. No entanto, quando Dener estava a voltar ao Rio de Janeiro depois de ter estado em São Paulo a negociar a sua transferência para o Estugarda, sofreu um acidente como passageiro. Devido ao facto do seu banco estar demasiado inclinado, o cinto de segurança causou uma factura na laringe e Dener sufocou no seu Mitsubishi Eclipse. O Brasil ficou em choque com tamanha perca, sendo que quem se cruzou com ele no campo, refere que ele seria maior e melhor que muitos dos talentos que pisam o gramado. Pois para Dener, um drible é mais bonito que um gol.

Deixe o seu comentário

bomfutebol