-- ------ Uma Aventura na China – Capítulo 22 - Bom Futebol
Bom Futebol

Uma Aventura na China – Capítulo 22

Treinador na China

Uma Aventura na China – Capítulo 22

As aventuras e tropelias pela China voltam de novo ao Bom Futebol. Após uma semana de paragem, chega até vós o vigésimo segundo capítulo da minha aventura futebolística e pessoal, pela China.

Neste capítulo 22 da minha aventura pelo maior país asiático, a China, irei focar-me no que se passou nas duas equipas de futebol que treino durante estas duas semanas. Como tinha dito no fim  do capítulo 21 desta aventura, tinha uma especial apreensão pelo que iriam ser os próximos treinos da equipa masculina de 2009/2010. Felizmente não havia razão para tal sentimento.

Equipa Masculina de 2009/2010

Passado quase três semanas após o último treino, a 7 de Maio voltei a dar treino à equipa masculina de futebol. Estava bastante preocupado que a paragem fizesse os jogadores regredir no que vinha a ser ensinado. Em especial pelo facto de antes desta paragem tinha feito o primeiro treino com situação de superioridade numérica ofensiva de 2×1. No regresso aos treinos pensava que os jogadores teriam dificuldade em executar e compreender o que fazer neste tipo de situação.

Contudo o regresso aos treinos foi bastante positivo. Obviamente que os jogadores não melhoraram os aspectos técnicos base, cometendo erros de execução técnica que já antes tinham. Mas estas acções técnicas eram executadas com o propósito táctico correcto. Nem sempre conseguiam atingir um resultado positivo nas diferentes situações de 2×1, mas demonstraram uma clara intenção táctica mais correcta do que vinham a demonstrar anteriormente.

Após dois treinos em que o nível de execução das situações de 2×1 pareceu-me aceitável, nesta semana resolvi aumentar a complexidade e a dificuldade de treino, e colocá-los em situações de 2×2, de forma a compreenderem a utilidade da cobertura defensiva. Novamente os jogadores a surpreenderem-me com a forma como conseguiram perceber e executar a recuperação defensiva, numa primeira instância, e depois a cobertura defensiva. Novamente erros de execução técnica, especialmente no passe, mas com a intenção táctica correcta para a maior parte das situações que encontravam.

Como começo a ficar apertado de tempo, com o aproximar da data da competição, resolvi esta semana experimentar colocar estes jogadores em situação de jogo formal, neste caso GR+4×4+GR, que será o que vão ter na competição. Tendo em conta a evolução deles em situações reduzidas de jogo, queria saber se conseguiriam aplicar o que vinham a aprender em situação de jogo. Claramente que estava enganado. Em jogo de GR+4×4+GR os jogadores ainda não conseguem respeitar o espaço dos colegas, havendo jogadores da esquerda a jogar no corredor direito, e vice-versa. Ainda há muito caos que terei que organizar de forma a respeitarem o espaço e jogo dos colegas. Treino também é isto, um pouco de tentativa e erro. Tentei e ainda não funcionou. Há que recuar e procurar uma forma de organizar todo este caos que ainda se encontra no jogo formal. Mas mesmo assim menos caótico do que no início quando comecei a treiná-los.

Treino da Equipa Feminina

Com objectivos diferentes que na equipa masculina, na equipa feminina o que foi proposto é fomentar o gosto pelo futebol e o treino num grupo de meninas escolhidas pelos membros da associação de futebol de Yan’an. Não há este ano o objectivo de as colocar a competir mas sim em que sejam adquiridas as bases para no futuro se construir uma equipa que entre nas competições escolares.

Apesar de nem sempre estarem totalmente focadas no treino e nem sempre levarem o treino com seriedade (eu também não forço muito isso) as jogadoras têm vindo a evoluir no seu relacionamento com a bola. O meu foco neste momento é que sejam capazes de desenvolver um bom relacionamento técnico e individual com a bola, de forma a que consigam no futuro executar as acções que eu possa pedir com determinada intenção táctica.

Neste momento a maior lacuna prende-se com o não entendimento do conceito de oposição em situação de 1×1. As do segundo e terceiro anos percebem a dinâmica da relação de oposição/superação do adversário em situação de 1×1. Já as do primeiro ano, a maioria não entende e se não têm a bola por a adversária lhes tirar a posse de bola, não fazem um esforço para recuperar a bola. Em termos de relacionamento com a bola também as do segundo e terceiro anos demonstram melhor habilidade mas penso que seja por terem uma melhor capacidade de coordenação motora do que as jogadoras mais novas.

O facto é que as jogadoras de treino para treino demonstram evolução e melhorias. Contudo tendo 34 jogadoras ao mesmo tempo e sendo só eu, com o tradutor, na orientação do treino, sinto que se está a perder uma oportunidade para que elas tenham uma evolução mais rápida e eficaz. Com mais treinos por semana, ou dividindo o grupo em dias de treino diferentes, permitiria focar a minha atenção de forma mais específica para as jogadoras e ajudá-las a evoluir mais rapidamente. Já fiz chegar esta minha preocupação ao responsável de futebol mas infelizmente não é possível solucionar esta situação. Continuarei a fazer como tenho feito até ao momento, que tem dado resultado mas um ritmo mais baixo do que se poderia obter se trabalhássemos de outra forma.

Para o próximo capítulo…

No capítulo 23 conto trazer novas aventuras dos treinos e das aulas de Futebol em Educação Física. Já passou a primeira metade deste semestre escolar, sendo que agora é contagem decrescente até ao fim do semestre. Que novos acontecimentos tragam novas histórias e peripécias. Até para a semana.

Deixe o seu comentário

bomfutebol